Clique e assine a partir de 9,90/mês

Jornalista sueco é assassinado em Cabul

Nils Horner foi atingido por disparos de arma de fogo em área nobre da cidade

Por Da Redação - 11 mar 2014, 09h10

O jornalista sueco Nils Horner morreu nesta terça-feira, ao ser atingido por disparos de arma de fogo em Cabul, confirmou a emissora pública Rádio da Suécia, para a qual ele trabalhava. O assassinato aconteceu por volta das 8 horas locais (0h30 de Brasília), informou um breve comunicado da rádio, que também anunciou que vai oferecer uma entrevista coletiva em Estocolmo para dar mais detalhes sobre o ocorrido. De acordo com a BBC, o jornalista faleceu enquanto era levado ao hospital e o atirador – ainda não identificado – está foragido. A área de Wazir Akbar Khan, onde Horner foi alvejado na capital do Afeganistão, normalmente é bem policiada por abrigar uma série de embaixadas e residências de diplomatas estrangeiros, relata a emissora britânica.

“Este é um dos piores dias na história de Rádio da Suécia. Nils era um de nossos melhores e mais experientes correspondentes e o que aconteceu é terrível”, disse a diretora da emissora, Cilla Benkö. “Estamos fazendo o possível para averiguar os detalhes do que aconteceu”, acrescentou. Peter Semneby, o embaixador sueco em Cabul, afirmou que a família de Horner já foi avisada de seu falecimento.

Leia também

Talibã promete sabotar eleições afegãs com ataques

Vice-presidente afegão morre de causas naturais

Ataque de drone americano mata cinco talibãs no Afeganistão

Horner, de 51 anos, também tinha cidadania britânica e trabalhava desde 2001 como correspondente da emissora sueca. O jornalista cobriu para a rádio pública sueca a queda do regime talibã, a entrada das tropas americanas em Bagdá, o tsunami no sudeste asiático e o acidente da usina nuclear japonesa de Fukushima, entre outros acontecimentos.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade