Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jornal venezuelano é atacado com coquetéis molotov e excremento

Bando acusa diretor do 'El Nacional' de conspirar 'contra o povo e a revolução bolivariana'

Um grupo de encapuzados a bordo de uma caminhonete branca sem placas lançou nesta terça-feira coquetéis molotov e excrementos contra a sede do jornal venezuelano El Nacional, que fica na zona leste da capital Caracas, denunciou a publicação em seu site. Os encapuzados deixaram um panfleto destinado ao diretor do jornal, Miguel Henrique Otero, acusando-o de conspirar “contra o povo e a revolução bolivariana”.

Leia também
Venezuela: Oposição pede à ONU que monitore protestos
Crítica dos EUA é ‘insolente’, diz Venezuela
Prioridade é tudo: Maduro anuncia que Venezuela fará filme sobre Hugo Chávez

Assinado por uma organização identificada como “Chama pueblo en rebelión” (chama povo em rebelião, em tradução literal), o manifesto diz: “Miguel Henrique Otero, você expõe abertamente sua posição de conspirador contra o povo e a revolução bolivariana. Que fique claro para você que somos um povo livre, soberano e patriota, não deixaremos que os apátridas como você voltem a governar. Hoje lhes dizemos: não voltarão, não voltarão”.

O Sindicato Nacional de Jornalistas da Venezuela relatou no Twitter que os homens que atacaram o El Nacional gritavam que o jornal “traiu o país”. A entidade lembrou que este é o segundo ataque contra o mesmo jornal venezuelano e o quarto contra sedes de veículos de comunicação no país caribenho nos últimos três meses.

Em junho, um grupo de encapuzados tentou entrar na sede do El Nacional, danificaram a fachada externa e lançaram excrementos contra o posto de segurança junto com panfletos que também estavam assinados pelo grupo que se identifica como “Chama pueblo en rebelión”.

(Com agência EFE)