Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Jihadistas comemoram medida anti-imigração de Trump

Extremistas comentaram que a ordem irá incentivar muçulmanos ocidentais a se juntarem ao terrorismo

Por Da redação 30 jan 2017, 22h43

Extremistas islâmicos comemoraram nas redes sociais a ordem executiva do presidente Donald Trump, que proíbe cidadãos de sete países muçulmanos de entrar nos Estados Unidos. Segundo o jornal Washington Post, apoiadores do Estado Islâmico (EI) e da Al Qaeda viram a medida como uma prova de que o governo americano está em guerra contra o Islamismo.

Em um grupo de extremistas no aplicativo Telegram, um usuário chamou Trump de “o melhor recrutador do Islã”, informou o Post, que teve acesso às mensagens. Outros previam que o governo dos Estados Unidos lançará novas guerras no Oriente Médio em breve.

Desde a ordem de Trump, um assunto comum entre os jihadistas é a previsão do antigo recrutador da Al Qaeda, Anwar al Awlaki. Em 2010, o extremista nascido nos Estados Unidos disse que o “Ocidente eventualmente se voltará contra seus cidadãos muçulmanos”. Awlaki foi morto por ataque de drone americano no Iêmen, em 2011.

  • Não é a primeira vez que membros do EI e outros grupos extremistas fazem declarações positivas sobre medidas antiterrorismo. Ações de Barack Obama e George W. Bush também eram “elogiadas” por jihadistas, que acreditam que a tensão religiosa favorece o recrutamento de membros.

    No domingo, o senador republicano John McCain, chefe do Comitê de Serviços Armados do Senado, disse estar preocupado que a ordem de Trump tenha impacto negativo na luta contra o EI no Oriente Médio. Segundo McCain, soldados do Iraque, um dos países na lista de Trump, lutam “neste momento” ao lado de americanos para o combater o grupo extremista.

    Continua após a publicidade
    Publicidade