Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Japão volta a usar energia nuclear apesar do acidente de Fukushima

Por Yoshikazu Tsuno - 1 jul 2012, 11h30

O reator Nº 3 da central de Ohi (oeste do Japão) foi reativado neste domingo, apesar da oposição da população traumatizada, no primeiro religamento real desde o acidente na central de Fukushima, em março de 2011, e o fim de um período sem energia nuclear.

Apesar de uma opinião pública muito dividida e de protestos recorrentes, a Kansai Electric Power ativou o reator às 21H00 (9H00 de Brasília).

O acidente nuclear de Fukushima foi provocado pelo terremoto e tsunami que devastaram o litoral do nordeste do Japão em 11 de março de 2011.

A reação em cadeia deve ser confirmada na segunda-feira e a produção de energia elétrica deve começar em 4 de julho.

Publicidade

Em 16 de junho, a empresa recebeu o aval das autoridades locais e do primeiro-ministro Yoshiho Noda para religar os reatores Nº 3 e Nº 4 de Ohi. A Kansai iniciou imediatamente os preparativos.

O município de Ohi, a prefeitura de Fukui (a província onde fica o reator) e o governo central consideraram que os reatores poderiam ser reativados de forma segura com base nos testes de resistência ratificados pelas instâncias de controle, apesar das advertências dos sismólogos de que as obras de consolidação contra os tremores e tsunamis ficarão prontas dentro de três anos.

“Minha responsabilidade é proteger os cidadãos”, afirmou o primeiro-ministro Noda.

Ele prometeu que fará tudo o que estiver a seu alcance para que não aconteça outro acidente como o de Fukushima, inclusive no caso de uma nova catástrofe natural. Mas insistiu que “a energia nuclear é uma fonte de eletricidade crucial”.

Publicidade