Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Japão oferece macarrão grátis para incentivar jovens a votar

Às vésperas das eleições para a câmara alta, ação visa estimular a participação de pessoas na faixa dos 20 anos, que ficou abaixo de 50% nas últimas décadas

Por Da Redação 6 jul 2022, 12h21

Uma grande rede de ramen está oferecendo macarrão grátis para jovens antes das eleições do próximo domingo, 10, para a Câmara Alta, instância do parlamento do Japão. A medida é uma estratégia para incentivar a participação dos mais novos nos pleitos, em meio à preocupação generalizada com a abstenção do grupo etário nas urnas.

+ Japão: 37 milhões de pessoas devem apagar as luzes contra crise energética

+ Tribunal no Japão sustenta que proibição de casamento gay é legítima

Segundo o jornal japonês Mainichi Shimbun, a Ippudo, que opera 50 lojas de ramen em todo o país, anunciou que irá distribuir gratuitamente porções do macarrão típico a pessoas que apresentarem um comprovante de votação para a Câmara Alta. A oferta começará a valer a partir do dia da eleição e se estenderá por 15 dias.

A estratégia busca atrair a população da faixa dos 18 aos 20 anos à urnas. Um porta-voz da empresa disse ao Mainichi Shimbun que espera que a ação “crie um incentivo para as pessoas votarem, mesmo que isso não se torne um hábito para elas”.

+ As estratégias dos candidatos pelo voto jovem – que pode decidir a eleição no Brasil

Continua após a publicidade

+ Por que os jovens brasileiros ainda relutam em tirar o título de eleitor

A participação entre os eleitores mais jovens é consistentemente baixa, permanecendo abaixo de 50% nas últimas três décadas, segundo dados do Ministério da Administração Interna do país. 

Em outubro passado, apenas 36% das pessoas na faixa etária dos 20 anos votaram nas eleições para os representantes da Câmara Baixa, tornando-os o grupo menos engajado politicamente. 

O principal motivo da alta taxa de abstenção é a insatisfação dos japoneses mais jovens com a falta de propostas voltadas para sua geração e a baixa representatividade dos mais jovens no parlamento. Segundo especialistas, os candidatos a cargos políticos priorizam pautas dos idosos, que são maioria entre os eleitores.

“Os políticos veem os idosos, cuja participação é alta, como alvos importantes dos quais podem ganhar votos”, analisa Hiroshi Yoshida, professor de economia do envelhecimento da Universidade de Tohoku, no Japão. 

Segundo o economista, o desengajamento dos jovens eleitores está prejudicando seu próprio futuro financeiro. Após analisar 40 anos de dados eleitorais, Yoshida concluiu que é mais provável que o governo aumente impostos e a carga de dívida futura dos mais jovens, sempre que a participação  deste grupo nos pleitos cai 1%.

Além disso, o valor das pensões para aposentados aumentam mais do que os benefícios para os mais jovens, como o subsídio de creche, nas mesmas circunstâncias.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)