Clique e assine com até 92% de desconto

Japão instala novo sistema antimísseis por ameaça norte-coreana

O PAC-3 será montado em uma base do exército na ilha de Hokkaido, no norte do país

Por Da redação 19 set 2017, 10h11

O Japão instalará nesta terça-feira um sistema adicional de defesa antimísseis na ilha de Hokkaido, afirmou o ministro da Defesa local em resposta aos dois últimos projéteis lançados pela Coreia do Norte que sobrevoaram o norte do país.

O sistema terra-ar Patriot Advanced Capability-3 (PAC-3) será montado em uma base de defesa do exército na zona sul da ilha, na cidade de Hakodate. A instalação ocorre apenas quatro dias depois de o regime de Kim Jong-un realizar seu último lançamento de míssil de médio alcance que caiu no Oceano Pacífico após sobrevoar Hokkaido.

  • Pyongyang, que ameaçou recentemente Tóquio dizendo que iria “afundar seu território” com uma bomba nuclear pelo seu apoio às sanções promovidas pelos Estados Unidos, também sobrevoou o norte de Japão com outro projétil em 28 de agosto.

    O porta-voz do Ministério da Defesa japonesa, Kensaku Mizuseki, afirmou hoje que “o país vigia os movimentos da Coreia do Norte”. Tóquio, que não confirma o número de lançadores montados no país por questões de segurança, já instalou em meados de agosto o seu sistema antimísseis em várias outras cidades do oeste do país, depois que Pyongyang ameaçou lançar quatro mísseis sobre a ilha americana de Guam, que sobrevoariam estas zonas.

    Estados Unidos

    Na segunda-feira, o secretário de Defesa americano, Jim Mattis, advertiu mais uma vez que os Estados Unidos têm “muitas” opções militares para usar contra a Coreia do Norte, incluindo algumas que não provocam risco a Seul. Mattis também confirmou que Washington e as autoridades da Coreia do Sul discutiram a possibilidade de enviar armas nucleares táticas e de tamanho limitado ao país vizinho dos norte-coreanos.

    O programa nuclear de Pyongyang deve ser um dos principais temas do discurso do presidente Donald Trump na Assembleia-Geral da ONU nesta terça-feira.

    (Com EFE e AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade