Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Japão e EUA responderão à China com ‘firmeza e calma’, diz governo japonês

Países pretendem produzir um documento avaliando nova zona área chinesa

Por Da Redação 28 nov 2013, 06h40

O chefe de gabinete e porta-voz do governo do Japão, Yoshihide Suga, afirmou nesta quinta-feira que os ministros de defesa japonês e americano concordaram em responder com “firmeza e calma” à ação da China de alterar seu espaço de segurança área, incluindo um arquipélago reivindicado por Tóquio.O porta-voz do governo japonês ainda disse que o Japão irá elaborar um documento com sua avaliação da situação em conjunto com os americanos e com outros países. Posteriormente, o documento será entregue às autoridades chinesas.

De acordo com Suga, o ministro de defesa japonês, Itsunori Onodera, e o secretário de defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, concordaram que a criação de uma nova zona de defesa aérea pela China representa “uma ação que pode levar a circunstâncias imprevisíveis e que pode mexer com a estabilidade regional”. Os ministros conversaram por conferência telefônica.

Leia também

Biden usará viagem à Ásia para acalmar ânimos na região

Zona aérea chinesa mina segurança regional, dizem EUA

EUA desafiam China e sobrevoam região em disputa

No sábado, o Ministério de Defesa da China divulgou um mapa de uma nova zona de defesa antiaérea e identificação obrigatória de aeronaves que voam sobre o Mar da China Oriental. A área inclui a cadeia de ilhas Senkaku, reivindicadas pelo Japão, o que levou Tóquio a protestar contra a medida. Após o anúncio, o Japão disse que a medida era inválida, e os Estados Unidos enviaram dois bombardeiros B-52 para sobrevoar a zona de defesa aérea da China. (Continue lendo o texto)

Continua após a publicidade

Limites das zonas de defesa aérea de China e Japão
Limites das zonas de defesa aérea de China e Japão VEJA

Visita oficial de Biden – O vice-presidente americano Joe Biden vai usar uma viagem à Ásia na próxima semana para tentar reduzir as tensões entre Japão e China. A visita de Biden ao continente asiático já estava agendada muito antes da crise, mas o novo embate diplomático entre Tóquio e Pequim colocou a questão da zona de segurança como o principal tópico a ser discutido pelo americano na Ásia, informaram fontes do governo dos EUA.

(Com agência Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês