Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Japão deve ter novo imperador em 2019

O país precisa realizar uma mudança constitucional para permitir a saída do imperador Akihito, que demonstrou desejo de abdicar

Por Da redação 11 jan 2017, 19h50

O governo do Japão está planejando permitir que o imperador Akihito se aposente e seja substituído por seu filho mais velho em 1º de janeiro de 2019, noticiou a imprensa local nesta quarta-feira. Neste meio tempo, o país trabalha para adaptar questões legais que permitam a primeira abdicação em 200 anos.

Akihito, de 83 anos, expressou em agosto o desejo de abdicar depois de quase três décadas no Trono do Crisântemo, citando sua idade avançada e a debilitação da sua saúde. Os principais jornais nacionais – Yomiuri, Asahi, Mainichi e Nikkei – reportam, citando fontes não identificadas, que o príncipe herdeiro Naruhito, de 56 anos, sucederia seu pai no dia de Ano Novo de 2019.

Após o anúncio de Akihito no ano passado, o governo estabeleceu um painel de especialistas para ajudar a decidir a melhor maneira de proceder em uma questão repleta de desafios históricos e legais. Embora as abdicações tenham ocorrido na longa história imperial do Japão, não houve nenhuma nos últimos 200 anos e as leis vigentes que regem a Casa Imperial não preveem nenhum mecanismo legal para abandonar o trono.

  • Quanto ao momento da abdicação, Yomiuri reportou que o painel considera que 1º de janeiro de 2019 seria apropriado dado que então Akihito terá reinado por 30 anos – algo que o próprio imperador mencionou como um ano marco em seu discurso de agosto.

    Nova era

    Jornais locais disseram que o governo japonês planeja anunciar o nome oficial da era do reinado de Naruhito pelo menos seis meses antes, para evitar confusão na vida diária. Os anos no Japão são numerados tanto em termos da duração do reinado de um imperador, como de acordo com os anos do calendário ocidental. Quando o pai de Akihito, o imperador Hirohito, morreu em 7 de janeiro de 1989, o 64º ano de sua era Showa terminou após apenas sete dias. O governo anunciou que o primeiro ano da era Heisei de Akihito começaria no dia seguinte.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade