Clique e assine a partir de 9,90/mês

Japão alerta para tsunami após terremoto de magnitude 7.4

Primeiras ondas a atingirem a costa nordeste do país registraram alturas de até 1,4 metro, de acordo com a emissora local NHK

Por Da redação - Atualizado em 21 Nov 2016, 22h24 - Publicado em 21 Nov 2016, 19h41

A prefeitura da região de Fukushima lançou um alerta de tsunami no Japão, após um terremoto de magnitude 7.4 na escala Richter atingir o país às 5h59 de terça-feira, no horário local (18h59 desta segunda-feira em Brasília).

De acordo com a Agência Meteorológica do Japão, ondas de até três metros de altura são esperadas na costa nordeste do país em decorrência do tremor. A Prefeitura de Fukushima pediu que os residentes deixassem a região assim que possível ou se abrigassem em altitudes mais altas, devido ao perigo do tsunami.

Até o momento, veículos locais confirmaram apenas pessoas com ferimentos leves no país e não registraram danos de grandes proporções. A emissora de TV NHK informou que as primeiras ondas do tsunami a atingirem a costa foram registradas com alturas de até 1,4 metro, porém, ainda não é possível definir se novas ondas terão força para causar estragos quando chegarem à terra.

O tremor teve seu epicentro no mar, com uma profundidade de 10 quilômetros, e chegou a ser sentido na cidade de Tóquio. O Serviço Meteorológico dos Estados Unidos colocou a magnitude do terremoto em 6.9 graus na escala Richter, abaixo da medida  japonesa, e informou que o terremoto ocorreu no oceano a 37 quilômetros da cidade de Namie. Duas réplicas foram registradas, com 5.4 e 4.8 graus, segundo a emissora CNN.

Falha em usina

A região que funciona sob a Prefeitura de Fukushima fica ao norte de Tóquio e abriga duas usinas nucleares desativadas. Uma delas, Daiichi, foi quase completamente destruída em 2011, quando um tsunami de grandes proporções atingiu a cidade. A Companhia Elétrica do Japão disse estar checando danos e registrou uma falha no sistema de resfriamento da outra planta, a Fukushima Daini, mas o problema já foi solucionado, informou a NHK.
[googlemaps https://www.google.com/maps/d/embed?mid=16rUWbsrdmClov0JKh9VBzNSN2Z4&w=640&h=480%5D

Publicidade