Clique e assine com até 92% de desconto

Jacques Chirac, ex-presidente da França, morre aos 86 anos

Causa da morte não foi especificada. Chirac serviu como presidente por dois mandatos e também ocupou a Prefeitura de Paris

Por Da Redação Atualizado em 26 set 2019, 08h53 - Publicado em 26 set 2019, 08h15

O ex-presidente da França entre 1995 e 2007, o conservador Jacques Chirac, morreu nesta quinta-feira, 26, aos 86 anos, de acordo com anúncio feito pela sua família.

O genro de Chirac, Frédéric Salat-Baroux, marido de Claude Chirac, comunicou a morte. “Ele morreu cercado por entes queridos. Pacificamente”, declarou, sem especificar a causa do falecimento.

Jacques Chirac sofreu um derrame, em setembro de 2005, quando ainda era presidente da França. Desde então, os problemas de saúde se sucederam e o francês foi hospitalizado diversas vezes.

O ex-presidente foi visto em público pela última vez no final de 2014, em um evento da Fundação Chirac ao Serviço da Paz, que fundou em 2008. Ele estava debilitado e chegou à cerimônia apoiado em um segurança.

Em setembro de 2016, ele teve que retornar à França com urgência deixando o Marrocos, onde estava de férias, para ser hospitalizado por conta de uma infecção pulmonar.

Nesta quinta, após o anúncio de sua morte, a Assembleia Nacional francesa fez um minuto de silêncio em sua homenagem. O presidente do Legislativo, Richard Ferrand, disse que Chirac “faz parte da história da França”.

  • História

    Jacques Chirac nasceu em Paris, em novembro de 1932. Ele estudou no Instituto de Estudos Políticos da capital francesa (Sciences Po) e em sua juventude esteve ligado a socialistas e comunistas, mas logo rumou para a direita e, durante décadas, foi um dos seus principais líderes.

    Ele foi eleito presidente pela primeira vez em 1995 e reeleito em 2002, em um votação que marcou a história recente francesa.

    Seguindo os passos do ex-líder francês Charles de Gaulle, Chirac tentou elevar o status da França perante o cenário internacional. Ele despertou orgulho nacional com sua oposição à invasão do Iraque liderada pelos Estados Unidos em 2003.

    Uma das suas maiores reformas políticas foi cortar o mandato presidencial de sete para cinco anos. Foi pela mão de Chirac que a França aderiu à moeda única europeia, o euro.

    Antes de ocupar o cargo de presidente, serviu em importantes em ministérios, foi eleito deputado e nomeado primeiro-ministro de Valéry Giscard d’Estaing em 1974. Também foi prefeito de Paris de 1977 até ser eleito presidente.

    O ex-presidente também tem uma mancha em seu histórico político. Chirac foi o primeiro chefe de Estado francês a ter sido condenado pela Justiça por desviar fundos públicos durante seu período no comando da Prefeitura de Paris.

    Em 15 de dezembro de 2011, o ex-presidente foi condenado por peculato e quebra de confiança pelo Tribunal Penal de Paris no caso de empregos fictícios quando era prefeito, mas foi posteriormente dispensado da pena.

    Continua após a publicidade
    Publicidade