Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Itamaraty promove gravação de mais de 100 obras sinfônicas brasileiras

Projeto Brasil em Concerto envolve três orquestras no registro de obras de 12 compositores brasileiros, entre eles Camargo Guarnieri e Claudio Santoro

Em um projeto inédito, o Itamaraty financiará a recuperação edição das partituras e a gravação das obras de doze compositores eruditos brasileiros pelas orquestras sinfônicas dos estados de São Paulo (Osesp), Minas Gerais e Goiás, com corais e solistas vocais e instrumentais. Cerca de 100 obras sinfônicas, muitas das quais consideradas esquecidas, serão registradas em CDs até 2023.

O projeto Brasil em Concerto foi concebido pela área cultural do Ministério das Relações Exteriores e será executado em parceria com as três orquestras e o selo Naxos, considerado o maior do mercado internacional em música erudita. Seu custo, nos cinco anos de trabalhos, será de 700.000 reais e sairá do orçamento do Itamaraty.

“Trata-se de uma operação de enorme valor cultural. O custo não é alto, em relação ao objetivo traçado, mas o valor do resultado será inestimável”, afirmou o embaixador Santiago Mourão, subsecretário-geral de Assuntos de Cooperação Internacional, Promoção Cultural e Temas Culturais do Itamaraty. “Este é um passo enorme para a recuperação do repertório sinfônico brasileiro, que ainda é muito conhecido”, completou.

Os compositores são significativos do período traçado: Alberto Nepomuceno, Carlos Gomes, Henrique Oswald, Heitor Villa-Lobos, Francisco Mignone, Lorenzo Fernandez, Camargo Guarnieri, Claudio Santoro, José Siqueira, Guerra-Peixe, Edino Krieger e Almeida Prado. As gravações servirão no futuro como referências musicais para maestros, concertistas e instrumentistas — inclusive para audições em seleções de candidatos para músicos de orquestras.

Muitas das obras ainda continuam disponíveis nos manuscritos de seus autores e jamais foram editadas. Um exemplo surpreendente dessa situação é a Bachianas nº 4, de Villa Lobos, uma de suas peças mais executadas e gravadas no mundo todo. Essa e todas as demais partituras passarão por recuperação musical e edição — a parte “invisível” do projeto.

“Recebemos das nossas embaixadas muitos pedidos de informações de maestros sobre partituras de compositores brasileiros, que antes não tínhamos como atender”, explicou Mourão.

Segundo o diretor executivo da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), Marcelo de Oliveira Lopes, os 100 CDs terão valor histórico. Mais importante ainda será a plataforma na internet, que estará disponível a músicos e estudiosos. A Academia Brasileira de Música acolherá esse conjunto de obras editadas e de gravações.

“Vamos dizer ao mundo que esse patrimônio esquecido está agora a mão”, afirmou Lopes.

As primeiras gravações já começaram, e estão sendo feitas pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. O CD número 1 terá obras de Alberto Nepomuceno, entre as quais a Sinfonia em Sol Menor, e deverá ser lançado em fevereiro de 2019. O trabalho está sendo realizado na sala da orquestra, em Belo Horizonte, que conta com excelente condição de estúdio, segundo o diretor-presidente, Diomar Silveira.

A Orquestra Filarmônica de Goiás gravará duas sinfonias de Claudio Santoro, entre outros. A Osesp se dedicará a Villa-Lobos e ao trio de compositores paulistas Francisco Mignone, Camargo Guarnieri e Almeida Prado.

Até sua conclusão, em 2023, o projeto terá realizado a gravação integral das catorze sinfonias de Santoro, dentre as quais apenas cinco estão gravadas. Também será registrada pela primeira vez a série completa dos sete choros de Guarnieri. O oratório Candomblé, de Siqueira, e os Pequenos Funerais Cantantes, compostos por Almeida Prado sobre poemas de Hilda Hilst, igualmente estarão gravados.

O lançamento do projeto Brasil em Concerto se deu no último dia 22, no Itamaraty, com um concerto da Filarmônica de Goiás, sob a regência do maestro titular Neil Thomson. Foram escolhidas obras de Edino Krieger e Claudio Santoro. O concerto marcou os noventa anos de Krieger e abriu as celebrações do centenário de Santoro.