Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Itamaraty: “pedido ao TPI de investigação da Venezuela não é sólido”

Ao chanceler venezuelano, Aloysio Nunes Ferreira diz que não haverá repatriação de refugiados no Brasil

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, afirmou nesta sexta-feira, 28, que o Brasil não aderiu ao pedido procuradoria do Tribunal Penal Internacional (TPI) de abertura de investigação da Venezuela por crimes contra a humanidade porque “a solidez do caso não parece evidente”.

“Acreditamos também que o acirramento das tensões não é positivo. Queremos que haja um clima de menos tensões com o nosso país, de modo inclusive a favorecer um diálogo interno entre o governo e a oposição da Venezuela”, explicou Nunes Ferreira na sede da Organização das Nações Unidas (ONU).

Com a decisão, o Brasil distanciou-se da maioria de seus aliados do Grupo de Lima, que pressiona Caracas pela retomada da via democrática. Os presidentes de Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru enviaram na quarta-feira 26 uma carta ao promotor do TPI com o pedido de investigação.

O chanceler da Argentina, Jorge Faurie, argumentou haver na Venezuela “prisões arbitrárias, assassinatos, execuções extrajudiciais, tortura, abuso, estupro, ataques flagrantes contra o devido processo legal”. Os crimes atingiriam também aos menores de idade.

Nunes Ferreira encontrou-se com o ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza. Mas disse ter tratado apenas de questões bilaterais – como a cooperação na área de saúde, a vigilância epidemiológica e a questão energética.

Segundo o chanceler brasileiro, está sendo negociada uma forma de saldar a dívida de 40 milhões de dólares relativa à  importação de energia venezuelana para o estado de Roraima. O pagamento foi dificultado pelas sanções dos Estados Unidos e da União Europeia ao país vizinho, que interromperam parte das transações financeiras.

A imigração de venezuelanos foi tema da conversa. O Brasil recebeu pouco mais de 60.000 cidadãos do país vizinho dentre os 1,6 milhão que escaparam da situação de escassez de produtos básicos e das crises econômica e política. Nunes Ferreira lembrou que ambos os países compartilham uma fronteira de 2.000 quilômetros.

Segundo o chanceler,  a emigração venezuelana “não constitui um problema dramático” para o Brasil. Ele reconheceu que o problema está na concentração dos imigrantes em Roraima, mas explicou a Arreaza os esforços do governo para ajudar os venezuelanos a se deslocarem para outros estados do país.

“A nossa fronteira está aberta. Se quiserem vir, recebemos; se quiserem voltar, evidentemente voltarão”, afirmou ele, ao indicar que a repatriação de venezuelanos é tema a ser definido pelos imigrantes e que não será adotada como política pelo governo brasileiro.

Em sua conta no Twitter, Arreaza disse que a reunião com Nunes foi “respeitosa e produtiva”.

Política Externa de 2019

Nunes Ferreira afirmou que, seja quem for o vencedor das eleições de outubro, Brasil país manterá a atual linha da política externa. A questão sobre os rumos a serem adotados pelo Itamaraty foi apresentada por vários chanceleres com quem se encontrou nesta semana, às margens da sessão de abertura dos trabalhos da Assembleia-Geral da ONU.

“Eu disse que a política externa brasileira não faz grandes mudanças de um governo para outro. Nós temos parâmetros muito seguros e seguidos há muito tempo”, afirmou o chanceler.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    E aí, trocando “figurinha” ao telefone com o José dirceu? Comuna miserável! Que asco! É essa gente que atrasa o Brasil e o mundo!

    Curtir

  2. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Teu caráter é tão podre como do Marighella. Porco terrorista! Tu é tão falso como o Maduro, como a qualquer socialista-comunista.

    Curtir

  3. Regina Célia Maluly Matta

    Realmente Sr. motorista se haddad ganhar nada mudará mas se for Bolsonaro tchau queridos esquerdistas.

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    Se está tudo normal não tem porque aceitar a entrada de refugiados. Não faz sentido.

    Curtir