Clique e assine a partir de 8,90/mês

Itália tem festas e aglomerações após fim do confinamento

País abre piscinas e ginásios em nova fase de saída do relaxamento, mas autoridades alertam para necessidade de protocolos de segurança

Por Da Redação - Atualizado em 25 Maio 2020, 09h33 - Publicado em 25 Maio 2020, 09h24

A primeira noite de fim de semana na Itália após o início da segunda fase de relaxamento de medidas contra a Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, foi de festa e muitas aglomerações em diversas cidades, deixando o governo em estado de alerta.

Desde segunda-feira 18, foi permitida maior liberdade de movimentos, após dois meses de confinamento, que chegou a ser quase total, já que o índice de contágios teve queda vertiginosa, assim como a quantidade diária de novos casos e de óbitos.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

O vice-ministro do Interior, Matteo Mauri, admitiu nesta segunda-feira, 25, que a Itália ainda está em uma fase “muito perigosa”, porque embora a pandemia tenha apresentado retração nas duas últimas semanas, existe risco de que novas ondas de infecção aconteçam, caso os protocolos de segurança não sejam respeitados.

“É verdade que agora se pode sair, mas é preciso manter a distância e usar máscara. Alguns, em particular os jovens, não parecem muito sensíveis a essas recomendações. Por isso, pedimos cautela”, afirmou o integrante do governo, em entrevista à emissora Sky TG24.

Mauri explicou que os prefeitos estão atuando firmemente e que estão tomando as medidas necessárias, mas garantiu que as aglomerações nas ruas, provavelmente, levarão a novos picos da Covid-19.

Desde segunda-feira, bares e restaurantes estão abertos, e a população pode circular livremente dentro da própria região (equivalente aos estados). Antes, a movimentação era limitada ao trabalho, compra de itens essenciais, visita à parentes e prática de esportes.

Nova fase

O país entrou nesta segunda em uma nova etapa do desconfinamento iniciado há três semanas, com a abertura de piscinas e academias. Os quase dez milhões de italianos que frequentam estes espaços dedicados à prática de esportes poderão voltar a fazê-lo, desde que por meio de reservas antecipadas.

Continua após a publicidade

Apenas duas regiões adiaram a reabertura: a Lombardia, para 31 de maio; e Basilicata, para 3 de junho. A máscara não será obrigatória durante os exercícios, mas muitos locais exigirão seu uso desde a entrada até o vestiário.

Nas piscinas públicas e nos parques aquáticos, deve-se manter uma distância de 7m² entre as pessoas na água e um metro e meio entre as espreguiçadeiras. Tanto nas academias quanto nas piscinas, é possível verificar a temperatura das pessoas, embora não seja uma obrigação, e proibir a entrada a partir de 37,5°C.

Os responsáveis pelas instalações também devem manter a lista de visitantes por um período de 14 dias, o tempo de incubação do vírus, para isolar um caso positivo das pessoas com quem tenham estado em contato.

A partir de 3 de junho, o governo planeja suspender as restrições às viagens entre regiões e reabrir as fronteiras aos viajantes europeus para permitir a retomada do turismo. O setor é crucial para a economia italiana.

A Itália tem atualmente 229.858 casos registrados de Covid-19 e 32.785 mortes. Ao todo, mais de 140.000 pessoas se curaram da doença.

Neste domingo 24, foram contabilizados 531 casos a mais de infecção pelo novo coronavírus, a quantidade mais baixa dos últimos seis dias, segundo dados divulgados pela agência de Defesa Civil do país. Além disso, nas últimas 24 horas, foram notificadas 50 mortes no território.

(Com EFE e AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade