Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Itália, Japão, Equador… Relembre onde a terra tremeu em 2016

Diversos países foram atingidos por terremotos durante o ano, inclusive o Brasil. A Itália foi o país mais afetado, com 300 mortes e 40.000 desabrigados

Por Da redação 28 dez 2016, 15h57

O silêncio interrompido por um estrondo, a tranquilidade tomada pelo desespero, vidraças que se estilhaçaram. Casas foram ao chão, pessoas soterradas e milhares ficaram desabrigados. Durante o ano, esta situação se repetiu em diversos países, inclusive na Itália. Em 2016, a terra tremeu. Logo no início do ano, em 3 de janeiro, um terremoto de magnitude 6,8 abalou o nordeste da Índia, perto da fronteira com Mianmar e Bangladesh.

Já em 25 de janeiro, um tremor de 6,3 graus na escala Richter foi registrado no mar de Alborán, sendo sentido no sul da Espanha e no norte do Marrocos. Após um forte abalo no dia 6 de fevereiro, a região sul de Taiwan foi sacudida, causando o desmoronamento de um edifício. Ao todo, 116 pessoas morrerem.

Oito dias depois, na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia, foi registrado um tremor de 5,8 graus que deixou 40 pessoas feridas. As sirenes dos serviços de emergência ressoaram nas ruas e pelo menos um prédio teve de ser evacuado.

Do outro lado do oceano, o terremoto no Equador entrou para a lista dos piores tremores da América Latina dos últimos anos. No dia 16 de abril, um abalo sísmico de 7,8 graus na escala Richter, que causou mais de 700 réplicas, matou 659 pessoas e deixou mais de 26 mil cidadãos desabrigados. O presidente Rafael Correa decretou estado de emergência no país.

Tremor no Brasil — Em 2 de maio, foi a vez do Brasil sentir a terra tremer. Ao menos nove cidades da região metropolitana de Belo Horizonte foram atingidas por um sismo de magnitude 3,7, considerado o maior abalo já registrado na região, que foi provocado por uma acomodação de falhas geológicas. De acordo com o departamento de sismologia da Universidade de Brasília, em 2016 já foram registrados 122 tremores de terra no país, sendo 21 em Minas Gerais.

Continua após a publicidade

No mês de agosto, novamente Mianmar foi atingida por um tremorde magnitude 6,8, deixando ao menos três mortos e tradicionais templos religiosos da antiga capital Bagan danificados.

Tragédia na Itália — Mas foi no dia 24 do mesmo mês, que a Itália começou a viver um período dramático, repleto de perdas e destruição. Às 3h36 da madrugada, um forte tremor de 6 graus na escala Richter abalou a região central do país, causando a devastação de cidades inteiras, como Amatrice, Accumoli e Arquata del Tronto. Segundo dados do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV), foram registradas mais de 100 réplicas.

Durante dois meses, a Itália sofreu três terremotos com magnitudes superiores a 5 e 6 graus. Os abalos provocaram a morte de quase 300 pessoas, 40.000 desabrigados, além de ruírem centenas de construções históricas.

Japão — Em abril, no Japão foi registrado um terremoto de 6,4 graus na escala Richter no sul do país, próximo a Kumamoto. Duas pessoas morreram. Já em 21 de novembro, um terremoto de magnitude 7,3 atingiu o país provocando um tsunami na região de Fukushima. Segundo o especialista em sismologia da Universidade Mackenzie, Waldir Stefano, essas regiões estão localizadas no chamado Círculo de Fogo, que é uma zona de elevada instabilidade formada por uma série de fossas geológicas encontradas no fundo do oceano.

“Sua formação está relacionada com o encontro de várias placas tectônicas, tornando os países localizados nessa região uma zona com forte presença de terremotos e tsunamis”, afirmou.

Em 7 de dezembro, um tremor de magnitude 6,5 atingiu a Província de Aceh, situada no extremo norte da ilha de Sumatra. Ao menos 100 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. Já no dia 21, as ilhas Barat Daya, no leste da Indonésia, também foram atingidas por um terremoto de 6,5 graus. O último terremoto do ano ocorreu dia 25 de dezembro, em pleno Natal, e assustou o Chile, com 7,7 graus de magnitude.

(Por Luciana Ribeiro, da ANSA)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês