Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Istambul proíbe parada do orgulho gay após ameaças de grupo radical

Comissão da Semana do Orgulho, que organiza as paradas, afirmou que a interdição é ilegal e que irá recorrer à Justiça

A realização da parada gay de Istambul, na Turquia, foi proibida pelas autoridades da cidade por questões de segurança, informou a prefeitura local nessa sexta-feira. O evento, que atrai dezenas de milhares de pessoas todos os anos, estava marcado para o dia 26 de junho, mas foi cancelado após grupos radicais ultranacionalistas fazerem ameaças e afirmarem que não irão permitir que “degenerados” realizem a marcha em solo turco.

Outras manifestações e marchas pelos direitos de homossexuais e transgêneros que iriam ser realizadas neste mês na cidade também foram proibidas. “Tais encontros e marchas de demonstração não serão permitidas por nosso governo, levando em conta a segurança dos nossos cidadãos, em particular dos participantes, assim como do público em geral”, afirmava um comunicado oficial do governo de Istambul. A Comissão da Semana do Orgulho, que organiza as paradas, afirmou que a interdição é ilegal e que irá recorrer à Justiça.

Leia também:

Casal gay é preso na Rússia após homenagear vítimas de Orlando

Erdogan: “Mulher que não tem filhos é meia pessoa”

Erdogan: métodos contraceptivos não são para famílias muçulmanas

A ameaça aos eventos foi feita pelo grupo de jovens ultranacionalistas Alperen Hearths, que classificaram as paradas como imorais. “Às nossas autoridades estatais: não nos façam lidar com isto. Ou vocês fazem o que é necessário, ou nós o faremos. Assumiremos quaisquer riscos, iremos impedir diretamente essa parada”, afirmou o líder do grupo em Istambul, Kursat Mican, durante uma coletiva de imprensa na quarta-feira.

Embora a homossexualidade não seja um crime na Turquia, ao contrário de muitos outros países muçulmanos, a homofobia ainda é generalizada no país. Críticos dizem que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), vêm mostrando pouco interesse em expandir os direitos de minorias, gays e mulheres e têm sido intolerantes com dissidentes.

(Da redação)