Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Israel nega participação em ataque contra egípcios

Governo contestou acusação feita pela Irmandade Muçulmana e disse que a própria entidade ‘não acredita no absurdo que está manifestando’

Por Da Redação 6 ago 2012, 20h29

O governo de Israel negou nesta segunda-feira qualquer envolvimento no ataque contra um posto fronteiriço na península do Sinai, no Egito, no qual morreram dezesseis soldados e policiais egípcios. A participação isralense no episódio foi levantada pela Irmandade Muçulmana. “Mesmo a pessoa que diz isso quando olha para si mesmo no espelho não acredita no absurdo que está manifestando”, disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores israelense, Yigal Palmor.

O grupo religioso associado ao partido Justiça e Liberdade, o do presidente egípcio, Mohamed Morsi, disse em seu site que o ataque “pode ser atribuído ao Mossad”, referindo-se à agência de inteligência de Israel, e foi uma tentativa de prejudicar o atual mandatário do Egito. A Irmandade Muçulmana alega que as metas eram “mostrar o fracasso do novo governo egípcio” e “pôr obstáculos no projeto reformista”.

Leia também:

Leia também: Exército mantém influência no novo governo do Egito

Mursi foi hoje ao local do atentado com os ministros da Defesa e do Interior, Hussein Tantawi e Ahmed Gamaledin, respectivamente, e decretou três dias de luto pela morte dos soldados e policiais, que serão sepultados nesta terça-feira em um funeral militar.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade