Clique e assine com 88% de desconto

Israel mata dois suspeitos do sequestro de adolescentes

Rapto e assassinato de três jovens israelenses em junho foi o estopim para conflito que durou quase 2 meses e matou mais de 2 mil pessoas em Gaza

Por Da Redação - 23 set 2014, 06h19

Dois palestinos suspeitos pelo sequestro e assassinato de três jovens israelenses em junho foram mortos nesta terça-feira pelas tropas de Israel. Em comunicado, as forças israelenses disseram que Amar Abu Eisha e Marwan Kawasmeh foram baleados durante uma operação realizada nos arredores de Hebron, na Cisjordânia.

Leia também:

Hamas admite que grupo sequestrou adolescentes de Israel

Guerra em Gaza não teve vencedor, aponta pesquisa israelense

Publicidade

Israel investiga conduta de militares na ofensiva em Gaza

Israel diz que suas tropas tentavam capturar os suspeitos quando eles abriram fogo, iniciando um tiroteio que resultou nas mortes. “Esta missão coloca fim a uma longa busca, e os responsáveis pelo crime não são mais uma ameaça aos civis de Israel”, declarou o porta-voz militar Peter Lerner.

As forças de Israel detalharam em nota que durante a operação também foram detidos Bashar Kawasmeh, Mahmed Kawasmeh e Taar Kawasmeh, filhos do terceiro suspeito, Hussam Kawasmeh, que já está detido acusado de planejar o crime.

Estopim – Naftali Frenkel e Gilad Shaer, de 16 anos de idade, e Eyal Yifrach, de 19 anos, foram raptados enquanto pegavam carona para voltar de uma escola religiosa perto de Gush Etzion, um bloco de colônias situado entre Belém e Hebron, em uma zona sob controle civil e militar israelense. Os corpos foram encontrados baleados em um campo perto de Hebron. No final de agosto, o Hamas admitiu que membros do grupo estavam por trás do rapto.

Publicidade

As mortes chocaram a sociedade israelense e foram o estopim do conflito entre Israel e Hamas que matou mais de 2 mil pessoas na Faixa de Gaza entre julho e agosto. Além disso, o crime também motivou o assassinato brutal do adolescente palestino Mohamad Abu Jedeir, de 16 anos, morto em represália por judeus ultranacionalistas em Jerusalém, no início de julho.

(Com agência EFE)

Publicidade