Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Israel-Hamas: Conselho de Segurança da ONU aprova resolução que pede pausa

Proposta de Malta é a primeira sobre o conflito a ser aceita pelo órgão, que analisou e rejeitou quatro textos em outubro

Por Da Redação
Atualizado em 15 nov 2023, 20h10 - Publicado em 15 nov 2023, 17h44

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou nesta quarta-feira, 15, uma proposta de resolução sobre o conflito entre Israel e o Hamas. O texto pede pausas humanitárias estendidas, proteção de crianças na guerra e a libertação de reféns israelenses pelo Hamas.

A proposta recebeu doze votos a favor e nenhum contra. Três nações se abstiveram: Estados Unidos, Rússia e Reino Unido, membros permanentes do Conselho, que têm poder de veto.

Antes de a proposta ser colocada em votação, a representante de Malta, Vanessa Frazier, afirmou que o conflito tem se desenrolado com um número crescente de mortes e chamou a atenção para os recém-nascidos que estão em risco no Hospital Al-Shifa, em Gaza, alvo de operação do Exército de Israel na madrugada desta quarta.

Esta é a quinta proposta de resolução votada pelo Conselho de Segurança sobre o conflito entre Israel e o Hamas. Duas da Rússia, uma do Brasil e uma dos Estados Unidos foram analisadas em outubro, quando o Brasil presidia o órgão, mas nenhuma conseguiu ser aprovada.

Neste mês de novembro, o Conselho é presidido pela China, e a reunião foi comandada pelo representante chinês Zhang Jun.

Continua após a publicidade

Resposta de Israel

Nas redes sociais, o embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, rechaçou a adoção da resolução. “A resolução do Conselho de Segurança da ONU é desconectada da realidade e não tem significado”, escreveu. “Independentemente do que o Conselho decidir, Israel continuará a agir de acordo com a lei internacional, enquanto os terroristas do Hamas nem lerão a resolução, muito menos a cumprirão. É lamentável que o Conselho continue a ignorar, a não condenar ou nem mencionar o massacre do Hamas em 7 de outubro, que conduziu à guerra em Gaza. É realmente vergonhoso!”, escreveu.

“A estratégia do Hamas consiste em deteriorar deliberadamente a situação humanitária na Faixa de Gaza e aumentar o número de vítimas palestininas, a fim de motivar a ONU e o Conselho de Segurança a deter Israel. Isso não vai acontecer. Israel continuará a agir até que o Hamas seja destruído e os reféns sejam libertados”, terminou.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.