Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Israel divulga carta inédita do nazista Eichmann com pedido de clemência

A divulgação foi feita pelo presidente Reuven Rivlin em uma cerimônia pelo Dia Internacional de Lembrança das Vítimas do Holocausto. Eichmann foi enforcado por seus crimes

O presidente israelense, Reuven Rivlin, revelou nesta quarta-feira o pedido de clemência escrito pelo criminoso nazista Adolf Eichmann em 29 de maio de 1962, dois dias antes de sua execução em Israel. A carta inédita de Eichmann, dirigida ao então presidente israelense, Yitzjak Ben-Zvi, foi exibida por Rivlin durante uma cerimônia em Jerusalém por ocasião do Dia Internacional de Lembrança das Vítimas do Holocausto. O nazista, capturado por agentes secretos israelenses na Argentina em 1960, foi julgado e condenado à morte em Israel em 1961.

Na carta, o criminoso nazista afirma que o tribunal israelense responsável por seu julgamento exagerou seu papel na organização da logística da “solução final” de Adolf Hitler, plano para exterminar os judeus da Europa que matou seis milhões de pessoas. “Devemos distinguir os chefes responsáveis das pessoas como eu, que foram forçadas a servir como simples instrumentos entre suas mãos”, escreveu Eichmann na carta. “Eu não era um chefe responsável, então não me sinto culpado”, completa no texto. “Não posso reconhecer como justo o veredicto do tribunal e peço, senhor presidente, que exerça seu direito de conceder o perdão e ordene que a pena de morte não seja aplicada”.

Leia também

Após 70 anos, ‘Mein Kampf’, de Hitler, volta a ser vendido na Alemanha

Premiê israelense acusa secretário-geral da ONU de “encorajar o terrorismo”

Judeus e palestinos fazem ‘beijaço’ contra proibição de livro em Israel

Durante a cerimônia, na presença de sobreviventes do Holocausto, foram divulgados outros documentos inéditos do caso Eichmann, que a partir de agora podem ser consultados em arquivos digitais públicos. Entre os documentos estão o pedido de clemência apresentado pela esposa, Vera Eichmann, e os cinco irmãos do nazista. Também estão na coleção alguns documentos dos advogados de defesa de Eichmann, a opinião escrita pelo ministro da Justiça, Yosef Dov, e uma nota do promotor Gedeon Hausner.

Histórico – Adolf Eichmann, um dos principais organizadores do Holocausto, fugiu de um campo de prisioneiros depois da II Guerra Mundial e viajou em 1950 para a Argentina, onde vivia com uma identidade falsa. Em 5 de maio de 1960 foi sequestrado por agentes do Mossad (o serviço secreto israelense) em Buenos Aires e transportado clandestinamente a Israel. O sucesso da operação e o julgamento de Eichmann foram motivo de orgulho para o jovem Estado judeu.

O julgamento foi um momento transcendente na história de Israel, afirmou Rivlin. “O julgamento de Eichmann rompeu a represa de silêncio. A capacidade do Estado judeu incipiente para capturar o assassino nazista deu um sentido básico de segurança aos sobreviventes do Holocausto”, afirmou o presidente israelense. Desde então, Israel dedica um esforço especial para tentar capturar e julgar os responsáveis pelo Holocausto.

(Da redação)