Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Israel autoriza ONU a construir casas e escolas em Gaza

Entidade vai mandar material para instalação de 1.200 residências e 18 escolas

Por Da Redação - 21 jun 2011, 20h21

O governo israelense autorizou a Organização das Nações Unidas (ONU) a enviar materiais de construção à Faixa de Gaza para instalar 1.200 residências e 18 escolas, anunciaram nesta terça-feira Israel e as Nações Unidas. O anúncio ocorre pouco antes da chegada prevista de uma frota internacional de ajuda humanitária que tentará romper o bloqueio israelense à região.

“Aprovamos grandes projetos adicionais da UNRWA (agência da ONU para os refugiados palestinos): a construção de 18 escolas, por um lado, e de cerca de 1.200 unidades de moradia em Rafah e em Tall al Sultan (sul de Gaza)”, disse Guy Inbar, porta-voz do coordenador das atividades governamentais israelenses nos territórios palestinos.

O coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, Robert Serry, “saudou este passo importante”, destacando que o valor de todos estes projetos chega a cerca de 100 milhões de dólares.

Bloqueio – A Faixa de Gaza é controlada pelo grupo extremista Hamas, que tomou o poder na região pela força em 2007. De acordo com a ONU, o bloqueio israelense a Gaza fortaleceu a facção radical, o contrário do esperado por Israel.

Publicidade

As Nações Unidas afirmam que o bloqueio isolou o território, levando à falência de grande parte do setor privado da economia local. Dessa forma, o setor público, controlado pelo Hamas, tornou-se o principal empregador da população, que enfrenta uma das maiores taxas de desemprego do mundo, 45%. Segundo o porta-voz da UNRWA, Chris Gunnes, “o bloqueio à Faixa de Gaza é um dos mais longos na história da humanidade e chegou o momento de repensá-lo”.

Levando o problema em conta, o Egito reabriu em 28 de maio uma passagem fronteiriça – a única saída de Gaza para o exterior – de maneira permanente, pela primeira vez nos últimos anos. O objetivo da medida era consolidar a reconciliação palestina.

(Com agência France-Presse)

Publicidade