Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Israel ataca 160 alvos em Gaza e deixa seis mortos

Exército israelense afirmou que matou um "importante comandante" palestino. Desde o início da operação, Força Aérea já atingiu 440 alvos na Faixa de Gaza

Por Da Redação 9 jul 2014, 08h56

O Exército israelense lançou durante a noite de terça-feira e na madrugada desta quarta 160 ataques contra alvos em Gaza, matando seis pessoas, reporta a rede CNN citando fontes médicas palestinas. As vítimas estavam dentro de uma casa na cidade de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza. Desde o início da operação militar israelense na segunda-feira, 35 palestinos morreram e centenas ficaram feridos, de acordo com a apuração palestina.

Também durante a madrugada, as milícias palestinas lançaram ao menos 45 foguetes contra o centro e sul de Israel sem causar vítimas. Segundo Peter Lerner, porta-voz militar israelense, a aviação de Israel atacou 118 plataformas de lançamento de mísseis das milícias palestinas, “algumas para projéteis de longo alcance”, dez túneis e vários armazéns de armamento. Além disso, foram atingidos seis quartéis do movimento radical islamita Hamas e dez “posições de comandos terroristas”, explicou em comunicado.

Leia também

Hamas lança foguetes contra Jerusalém e Tel Aviv

Israel ataca Faixa de Gaza após disparos de foguetes palestinos

Israel enfrenta confrontos após morte de palestino queimado vivo

Continua após a publicidade

No mesmo documento, o oficial assegurou que as tropas tinham conseguido matar Hafez Hamid, identificado como um “importante comandante” do grupo radical palestino Jihad Islâmica. Segundo o Exército de Israel, ele era responsável pelo lançamento de foguetes contra a cidade israelense de Sderot, que fica próxima à Faixa de Gaza. Lerner estimou em 440 os alvos atacados pela Aviação e a Marinha israelense desde o início da ofensiva, em 7 de julho. Essa é a terceira operação contra Gaza desde que o Hamas tomou o controle da região, em 2007.

Em Jerusalém, testemunhas informaram à agência EFE que um projétil, que fez soar as sirenes na cidade santa pela primeira vez desde que Israel iniciou sua ofensiva contra o Hamas, caiu na área de Mateh Yehuda, uma zona montanhosa ao oeste da cidade, sem causar vítimas. A imprensa israelense informou que um segundo foguete caiu em um local descampado próximo de Pisgat Ze’ev, um bairro colonial judeu em Jerusalém Oriental. Os alarmes antiaéreos também foram escutados durante a noite passada em Tel Aviv. A capital israelense conta com a proteção de um sofisticado sistema antimísseis que já interceptou no ar pelo menos um projétil.

Ataques dos palestinos – As brigadas Ezedin al-Qassam, braço armado do movimento islamita Hamas, informaram ter lançado foguetes contra a cidade de Haifa, na costa norte de Israel, cerca de 150 quilômetros do norte de Gaza. Em comunicado, o grupo assegurou ter utilizado foguetes de fabricação caseira e ter lançado projéteis contra cidades do centro de Israel.

Caio Blinder: A ilusão da complacência israelense

Além disso, milicianos palestinos lançaram na manhã desta quarta-feira dois foguetes contra o porto israelense de Ashkelon, situado a cerca de 20 quilômetros de Gaza. Ambos os projéteis explodiram no ar e não causaram danos. As sirenes antiaéreas soaram quase ao mesmo tempo que as baterias do escudo antimísseis foram ativadas para interceptar os projéteis. Peter Lerner assegurou que alguns dos restos achados entre Hadera e Haifa são de um foguete M-302, similar aos encontrados em um navio vindo do Irã e interceptado por Israel em alto-mar.

Nesta terça-feira, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu confirmou que tinha ordenado um aumento significativo das operações contra o Hamas em Gaza e que a ofensiva militar “levará tempo”. Israel também não descarta uma possível incursão terrestre no território controlado pelos palestinos e anunciou a convocação de 40.000 reservistas para ficarem de prontidão. As brigadas Ezedin al-Qassam responderam que continuarão com suas operações até alcançar seus alvos e que estão preparadas para ampliar e intensificar seus ataques.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade