Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Isaac vira tempestade tropical, mas estragos continuam

O Centro Nacional de Furacões (NHC) detectou uma ligeira redução na intensidade do fenômeno climático, que pode sofrer um desvio em sua rota

Por Da Redação 29 ago 2012, 16h16

Apesar de ser rebaixado para a categoria de tempestade tropical, o furacão Isaac continua a colocar em risco nesta quarta-feira a região da cidade de Nova Orleans, onde já foi decretado estado de emergência pelo presidente americano, Barack Obama. O fenômeno meteorológico praticamente estacionou nas proximidades da cidade – por coincidência, no dia em que a passagem do devastador furacão Katrina por Nova Orleans completa sete anos – e continua provocando intensas chuvas que devem persistir durante esta quarta-feira, o que pode causar mais inundações em toda a área.

O Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos apontou, no entanto, que o furacão, que teve sua intensidade ligeiramente reduzida. Ele permanece estacionado há algum tempo e há a possibilidade dele avançar rumo a noroeste, desviando assim de Nova Orleans.

Leia também: Tempestade Isaac afeta campanha presidencial nos EUA

Especialistas acreditam que, com o lento deslocamento de Isaac, seu centro ainda demore horas até chegar perto de Baton Rouge, capital da Louisiana, a cerca de 100 quilômetros de distância de Nova Orleans, ao mesmo tempo em que seu amplo diâmetro contribui para que os efeitos possam ser sentidos em uma grande área.

Os diques contra enchentes, construídos para proteger a cidade de novos desastres como o registrado em 2005, não foram rompidos, apesar do nível da água estar aumentando. “O sistema de diques federal é bom”, afirmou o prefeito de Nova Orleans, Mitchell Landrieu, a uma rádio local.

Nova Orleans – O Isaac é o primeiro furacão a atingir o terra firme nos Estados Unidos nesta temporada. Especialistas sfirma que os prejuízos causados pelo fenômeno ainda estão longe de bater o nível de perdas causadas pelo Katrina até o momento e não acreditam que ele entre para a lista dos 10 piores furacõesem termos de prejuízos.

(Com Agência France-Presse, Reuters e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade