Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Irregularidades podem tirar Netanyahu da corrida eleitoral em Israel

O procurador do partido Likud pediu para o primeiro-ministro israelense se explicar sobre um possível uso de recursos da legenda para benefício próprio

Por Da Redação 19 dez 2014, 11h37

O escritório do partido Likud convocou seu líder, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para que responda sobre suspeita de uso inadequado de recursos em benefício próprio e de pessoas da legenda. Segundo informa nesta sexta-feira o jornal Haaretz, a reivindicação do procurador do Likud, Shay Galli, poderia tirar Netanyahu das primárias do partido e impedir-lhe de candidatar-se às eleições legislativas previstas para o próximo mês de março.

“Netanyahu é suspeito de violar os estatutos do partido ao fazer uso do centro de reuniões de Metzudat ze’ev, sede do Likud em Tel Aviv, para promover suas aspirações a liderar o partido. O discurso que fez ali, destinado a promover sua candidatura, foi postado no site da legenda, que é também propriedade do partido”, explicou o jornal.

Leia também

Eleições antecipadas em Israel devem ocorrer em março

Netanyahu demite ministros centristas e convoca eleições em Israel

Governo de Israel aprova projeto que reforça caráter judeu do Estado

Galli acredita que estas ações atentam contra a legislação do Likud e contra a lei eleitoral israelense, e pode dirigir medidas mais duras, entre elas a suspensão de Netanyahu como líder do partido. Netanyahu enfrentará nas próximas semanas o outro candidato que pretende dirigir o Likud, o ex-vice-ministro da Defesa, Dany Danon, considerado um dos nomes mais duros do partido direitista.

Um porta-voz de Netanyahu qualificou de “estranho e afastado da realidade” o requerimento do procurador do Likud. “Isso parece motivado por agentes políticos. O primeiro-ministro atuou de acordo com a lei e as regulações do partido, e está comprometido a seguir fazendo assim. Isto inclui as primárias e qualquer outra coisa. A carta terá a resposta legal apropriada”, explicou.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade