Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Irmão de Chávez assume órgão que supervisiona Judiciário

Argenis Chávez dirigirá órgão que administra os recursos do sistema judicial

Por Da Redação
12 jun 2013, 22h40

O Poder Judiciário na Venezuela já é totalmente subjugado ao chavismo. E, a partir desta quarta-feira, os juízes do país ainda estarão sob a supervisão de um dos irmãos do falecido coronel Hugo Chávez, que tomou assumiu a direção-executiva da Magistratura. Argenis Chávez assumiu a chefia do órgão auxiliar do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que, entre outras coisas, administra os recursos do Judiciário.

Saiba mais:

Saiba mais: Argentina e Venezuela ‘queimam’ imagem do Brasil, diz professor

Argenis, irmão mais novo de Chávez, renunciou em abril à presidência da Corporação Elétrica Nacional (Corpolec). Ele também exerceu cargos de direção na estatal petrolífera Pdvsa e no Ministério de Energia. Antes da chegada do irmão mais velho à Presidência da Venezuela, no entanto, Argentina não tinha grande proximidade com a política, segundo o jornal El Mundo.

Nesta quarta, ele prestou juramento em uma cerimônia no STJ com a presença de todos os magistrados que integram o plenário. A nova presidente da Corte, Gladys Gutiérrez Alvarado – que substituiu Luisa Estela Morales em maio – desejou “êxito” ao novo diretor-executivo.

Continua após a publicidade

Leia também:

Leia também: Venezuela expulsa americano acusado de conspiração

Eleições – A subserviência aos interesses do oficialismo atinge também a Justiça Eleitoral do país. Repetidas vezes, Nicolás Maduro, herdeiro político de Chávez, foi obrigado a defender o processo eleitoral, depois de sua apertada vitória sobre o opositor Henrique Capriles na disputa presidencial de 14 de abril. Ele voltou a defender nesta quarta a auditoria realizada pelo Conselho Nacional Eleitoral. “O sistema eleitoral venezuelano é perfeito. Zero de erro. É o mais limpo do mundo”.

Na terça, o CNE anunciou que a auditoria, claro, confirmou a vitória de Maduro por diferença de 1,5 ponto percentual, apesar das alegações de fraude apresentadas pela oposição. “Os resultados da eleição na Venezuela são e vão continuar sendo um reflexo da vontade do povo”, disse a presidente do CNE, Tibisay Lucena, em um pronunciamento transmitido pela TV que nem de longe deve acalmar os ânimos da oposição.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Leia mais: Anistia Internacional destaca criminalidade e perseguição na Venezuela

No entanto, o ataque à lisura do processo eleitoral mostra-se uma atitude inócua dos opositores, já que não há como conseguir um posicionamento judicial que não seja alinhado ao governo. Mas Capriles insiste nas reclamações. Ele reagiu às declarações de Tibisay por meio do Twitter. Escreveu que as palavras da presidente do CNE “não têm nenhum valor” e que “A luta cada dia se fortalece mais”.

(Com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.