Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Irã põe fim ao uso russo de sua base aérea para ataques na Síria

Segundo o Ministério da Defesa iraniano, o empréstimo da base militar para ataques na Síria era apenas temporário e "já terminou"

O Irã anunciou nesta segunda-feira uma pausa nos ataques realizados pela Rússia na Síria a partir de uma de suas bases aéreas. A decisão parece ser fruto de um desentendimento sobre a divulgação da cooperação militar. No domingo, o ministro da Defesa iraniano, Hossein Dehghan, comentou em uma entrevista de TV que reprovava Moscou por anunciar publicamente o uso da base iraniana para ataques em prol do regime de Bashar Assad.

O Ministério da Defesa russo divulgou na imprensa do país na semana passada que havia realizado ataques aéreos contra alvos jihadistas na Síria, decolando pela primeira vez do aeródromo de Hamedan, no Irã. Foi a primeira vez que a Rússia usou o território de um terceiro país para realizar ataques na Síria desde o início de sua campanha militar, em setembro de 2015.

Leia também:
Foto de criança síria ferida em Aleppo mostra horrores da guerra
Rússia indica que pode chegar a acordo com os EUA na Síria
Rússia diz ter informado EUA sobre uso de gás tóxico na Síria

“Naturalmente, os russos querem mostrar que são uma superpotência e um país influente”, comentou o ministro iraniano. “Há um desejo de se colocar à frente, sem respeito pelo Irã”, disse ele no domingo. Durante uma coletiva em Teerã nesta segunda, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Bahram Ghasemi, afirmou que os bombardeios na semana passada faziam parte de uma “missão específica e autorizada, que já terminou”. “Eles realizaram esses ataques e partiram”, confirmou.

Apesar da discordância, o embaixador da Rússia em Teerã, Levan Dzhagaryan, disse que, “se os líderes dos dois países julgarem necessário”, acordos de cooperação do tipo podem voltar a ocorrer. Irã e Rússia são os principais aliados do regime sírio de Bashar Assad na guerra civil que devasta o país há mais de cinco anos. Teerã permanece discreto sobre sua ajuda militar ao regime, enquanto Moscou anuncia regularmente ataques aéreos.

(Com AFP)