Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Irã nuclear: negociações são estendidas por 4 meses

Diante da incapacidade de se fechar um acordo definitivo, negociadores concordam em prosseguir com conversas até o final de novembro

O Irã, os Estados Unidos e outros cinco países envolvidos na negociação sobre o futuro do programa nuclear iraniano decidiram manter as conversas por mais quatro meses. O prazo inicial terminaria neste domingo, mas o único ponto em que houve concordância foi sobre a necessidade de continuar tentando reduzir as diferenças.

Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha, China e Rússia querem que o Irã desmantele seu programa de enriquecimento de urânio, mas o país persa oferece apenas um congelamento das operações nos níveis atuais por um período limitado de tempo. O discurso iraniano é que o programa tem fins pacíficos. Na prática, contudo, a República Islâmica tem enganado os inspetores estrangeiros enquanto desenvolve uma bomba atômica às escondidas.

Saiba mais:

Acordo com Irã embaralha as cartas da geopolítica

Há dias já havia sinais de que não haveria acordo dentro do prazo estipulado depois de um acordo preliminar temporário fechado em novembro passado, pelo qual o Irã se comprometeu a suspender seu programa nuclear em troca da retirada de sanções pelas potências. A extensão do prazo foi acertada depois de dezesseis dias de encontros em Viena. As negociações devem ser retomadas apenas em setembro.

Leia também:

Perto do prazo final para acordo nuclear, Kerry se encontra com iranianos

Potências iniciam fase crucial de conversações com Irã

AIEA confirma que Irã segue cumprindo acordo nuclear preliminar

Entre as questões que seguem emperrando o avanço rumo a um pacto definitivo está determinar até onde pode ir a capacidade produtiva de combustível nuclear do país. O Irã quer defende a manutenção de uma capacidade “robusta” de enriquecimento como condição para qualquer acordo, enquanto as potências querem assegurar que o país não terá nenhuma capacidade para produzir armas nucleares. Um diplomata consultado pelo jornal The Washington Post afirmou que a estratégia ocidental é circunscrever a capacidade nuclear do Irã a um ponto que torne muito difícil a fabricação de armas. No entanto, essa solução, se for alcançada, não seria uma garantia absoluta de que o país nunca terá uma bomba atômica.