Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Irã inicia o abastecimento de sua primeira usina nuclear

É uma 'grande vitória' para o país, diz o presidente da Comissão de Segurança

“Se eles (EUA e Europa) não constroem uma usina para o Irã, o Irã o fará por si próprio”

Alaedin Boroujerdi

O Irã deu início nessa terça-feira ao abastecimento de sua primeira usina nuclear – inaugurada em agosto -, informou a imprensa estatal. É um passo fundamental rumo à ativação da planta de Bushehr, que está programada para produzir eletricidade a partir de 2011. A intenção de Teerã é aumentar a oferta de energia nacional. A central começará a operar assim que as 163 barras de urânio enriquecido forem colocadas no núcleo do reator.

Apesar do processo ter sido considerado “uma grande vitória” do país sobre as grandes potências pelo presidente da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento iraniano, Alaedin Boroujerdi, o governo dos aiatolás insiste que se trata de um programa pacífico. “A usina nuclear de Bushehr é um dos principais projetos do Irã, que ajudarão a produzir formas alternativas de energia”, salientou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Ramin Mehmanparast.

“Alemanha, Reino Unido e França se opuseram a transferir aos pesquisadores a tecnologia para (construir) centrífugas. Mas, hoje em dia, temos entre 7.000 e 8.000”, destacou Boroujerdi. “Apesar das políticas dos Estados Unidos e de certos estados europeus, que impuseram sanções à República Islâmica, seguiremos adiante com nossas políticas. Se eles não constroem uma usina para o Irã, o Irã o fará por si próprio”, acrescentou.

Longo prazo – Mehmanparast ainda salientou que as atividades ocorrem conforme o programado e que o projeto será mantido também a longo prazo. “As pressões políticas, como sanções, não irão parar nosso progresso no desenvolvimento nem impedir nossa nação de exercer seus direitos ao uso pacífico da tecnologia nuclear.”

Teerã começou a construir a usina nuclear de Bushehr na década de 1970 com ajuda da Alemanha, mas o projeto foi interrompido pela Revolução Islâmica de 1979, que depôs o último Xá da Pérsia, Mohammad Reza Pahlevi. Os trabalhos foram retomados há dez anos, com a colaboração da Rússia, e concluídos em meados deste ano após uma série de atrasos.

(Com agência EFE)