Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Irã escondeu provas de atividade atômica militar, diz AIEA

Agência da ONU mostra imagens que indicam que instalação militar passou por limpeza para eliminar evidências de projeto de bomba nuclear

A Agência Internacional de Energia Nuclear (AIEA), órgão da ONU, mostrou nesta quarta-feira uma série de imagens de satélites que contribuem para as suspeitas de que o Irã eliminou provas incriminadoras de atividade atômica em uma instalação militar, disseram diplomatas ocidentais

Na imagem mais recente, de meados de agosto, um prédio está coberto pelo que parece ser uma lona rosa. A agência acredita que são realizados testes de explosivos relacionados ao desenvolvimento de armas nucleares na região há possivelmente uma década, segundo os diplomatas. O Instituto para a Ciência e a Segurança Internacional, uma entidade autônoma dos Estados Unidos, disse que a instalação pode ter sido coberta para que o Irã esconda o trabalho de limpeza do lugar.

A AIEA vem tentando convencer o Irã para que permita a inspeção da instalação militar de Parchin, algo que o país rejeita, alegando se tratar de uma unidade militar convencional. Na semana passada, a agência salientou num relatório confidencial que “extensas atividades” realizadas desde fevereiro em Parchin, inclusive a demolição de alguns prédios e a retirada de terra, podem atrapalhar significativamente a investigação no local, caso o regime autorize a verificação.

Leia também:

Ex-diretor da CIA diz que ataque ao Irã pode esperar

Israel – Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu suspendeu uma reunião do gabinete de segurança, que discutia a possibilidade de um ataque ao Irã, noticiou o jornal americano Washington Post. Segundo a publicação, o cancelamento ocorreu depois do vazamento para a imprensa de que os membros do gabinete divergem sobre a necessidade de atacar as bases nucleares iranianas. “A segurança do estado e de seus cidadãos depende da capacidade de manter confidenciais as discussões do gabinete de segurança”, afirmou Netanyahu em comunicado.

(Com agência Reuters)