Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Irã diz que europeus cederam a ‘bullying’ de Trump na questão nuclear

Chanceler do país acusou Reino Unido, França e Alemanha de adotarem postura mais dura no pacto por medo de tarifas dos EUA

Por Redação - 16 jan 2020, 12h37

O Irã disse nesta quinta-feira, 16, que os países europeus sucumbiram ao bullying do “valentão de escola” Donald Trump ao acionarem um mecanismo que abre caminho para a reativação de sanções das Nações Unidas ao regime iraniano. O presidente americano tem pressionado Reino Unido, França e Alemanha a abandonarem o acordo nuclear assinado com o Irã durante o governo de Barack Obama, em 2015, em troca de um novo pacto, que seria liderado por ele.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, compartilhou no Twitter uma notícia do jornal The Washington Post que afirma que Trump ameaçou os europeus com tarifas de 25% caso eles não denunciassem as violações do pacto pelo Irã.

“O E3 (grupo dos três países) vendeu os resquícios do #JCPOA (sigla do acordo) para evitar novas tarifas de Trump. Não funcionará, meus amigos. Vocês só atiçam o apetite dele. Lembram do bullying do valentão da escola?”, provocou o chanceler. “Se vocês querem vender sua integridade, vão em frente. Mas não finjam que têm superioridade moral e legal. Vocês não têm.”

Na quarta-feira 15, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que é hora de um “acordo de Trump” substituir o atual pacto. A França afirmou que conversas abrangentes são necessárias.

Enriquecimento de urânio

Desde que Trump retirou os Estados Unidos do acordo em 2018, dizendo querer um pacto mais rígido, o Irã diminuiu o cumprimento dos seus termos, que impunham a detenção das atividades nucleares do país em troca de alívio nas sanções econômicas. Neste mês, o país disse que rejeitou todos os limites ao enriquecimento de urânio.

Também nesta quinta-feira, o presidente iraniano Hassan Rohani afirmou que a República Islâmica agora enriquece ainda mais urânio do que antes do acordo.

Publicidade

“Nosso enriquecimento diário é hoje maior do que antes da assinatura do pacto”, disse Rouhani. Ele não ofereceu detalhes sobre a quantidade de urânio enriquecido.

O presidente iraniano também acusou todos os signatários do JCPOA – China, Rússia, Alemanha, França, Reino Unido, Estados Unidos e União Europeia – de se afastarem do pacto, dizendo que o Irã apenas agiu de acordo.

Os europeus se opõem há tempos à decisão de Trump de romper com o pacto nuclear. O mecanismo de disputa inicia um processo diplomático que pode acabar fazendo com que sanções das Nações Unidas ao Irã sejam reativadas, embora os europeus digam que esse não é seu objetivo.

(Com Reuters)

Publicidade