Clique e assine a partir de 9,90/mês

Irã anuncia 135 mortes em 24 horas por coronavírus

Governo iraniano também anunciou nesta terça a liberação temporária de 85.000 detentos, entre eles presos políticos

Por Da Redação - Atualizado em 17 mar 2020, 11h40 - Publicado em 17 mar 2020, 10h57

As autoridades do Irã anunciaram nesta terça-feira, 17, 135 mortes em 24 horas provocadas pelo novo coronavírus, o que eleva a 988 o balanço da epidemia de Covid-19 no país, um dos mais afetados depois da China.

De acordo com o porta-voz do ministro da Saúde, Kianush Jahanpur, mais de 1.178 novos casos de contágio foram confirmados durante as últimas 24 horas. “Isto eleva o número total de casos confirmados a 16.169 pessoas”, declarou Jahanpur em uma entrevista coletiva.

O porta-voz, que pediu aos iranianos que permaneçam em casa para frear a propagação, também anunciou que 5.389 pacientes foram curados e estão em bom estado de saúde.

Fato incomum, o Irã anunciou na segunda-feira 16 o fechamento de quatro importantes locais sagrados xiitas para tentar conter a epidemia.

Continua após a publicidade

Na véspera do Ano Novo iraniano (de 19 de março a 3 de abril), que tradicionalmente provoca a viagem de milhares de pessoas por rodovias, as autoridade iranianas pediram às pessoas que permaneçam em casa e considerem o vírus como um problema “sério”.

Para dissuadir as pessoas a respeito dos deslocamentos, várias províncias ordenaram o fechamento dos hotéis. As celebrações da tradicional festa do fogo persa, na qual os iranianos se reúnem nas ruas, que deveriam começar na terça-feira à noite, foram proibidas em Teerã e em várias províncias, segundo a agência oficial Irna.

Prisioneiros liberados

O governo iraniano também anunciou nesta terça a liberação temporária de 85.000 detentos, entre eles presos políticos. Segundo o Poder Judiciário de Terrã, a medida foi tomada para evitar a propagação da doença dentro das lotadas penitenciárias do país.

“Nas penitenciárias também tomamos medidas de precaução para confrontar a pandemia”, afirmou o porta-voz Gholamhossein Esmaili.

Continua após a publicidade

As condições nas cadeias iranianas deterioraram de forma considerável nas últimas semanas, com muitos relatos de mortes de presidiários após contaminação pelo coronavírus. No início de março, o governo já havia anunciado a libertação temporária de 54.000 prisioneiros.

(Com AFP)

Publicidade