Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Interpol coloca ex-presidente da Ucrânia em lista de procurados

Viktor Yanukovich, que fugiu para a Rússia, é acusado de desvio de dinheiro público

Por Da Redação 12 jan 2015, 13h57

A Interpol emitiu uma ordem de busca internacional contra o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovich, quase um ano depois de ele fugir para a Rússia. A pedido de Kiev, o presidente deposto foi incluído na lista de procurados, acusado de desviar milhões de dólares em fundos públicos.

Sob alerta vermelho, a Interpol poderá auxiliar a polícia nacional ucraniana a “identificar e localizar” o ex-presidente, com o objetivo de prisão, extradição ou outra ação legal similar. Alertas semelhantes foram lançados para o ex-primeiro-ministro Mykola Azarov e para o ex-ministro das Finanças Iurii Kolobo.

Leia também:

Putin acusa o Ocidente de ter provocado crise na Ucrânia

Para Maduro, Yanukovich foi vítima de golpe influenciado pelos EUA

Presidente deposto da Ucrânia vira foragido da Justiça

Continua após a publicidade

Yanukovich, de 64 anos, foi visto pela última vez em uma fotografia em que aparece ao lado do diretor de cinema americano Oliver Stone. A foto teria sido tirada em dezembro, em Moscou, segundo a rede BBC. Em outubro, o presidente russo Vladimir Putin admitiu ter ajudado o ucraniano a fugir do país depois da queda de seu governo.

Yanukovich foi deposto depois de meses de confrontos entre polícia e manifestantes em Kiev, que deixou centenas de mortos. Depois da mudança no governo, o Kremlin anexou ilegalmente a península da Crimeia e passou a auxiliar separatistas no leste do país.

Artigo Project Syndicate: A contrarrevolução preventiva da Rússia

A Ucrânia pediu em março à Interpol em março do ano passado que difundisse uma ordem de busca contra Yanukovich por “abuso de poder e assassinato”. O ex-presidente nega ter ordenado atiradores a dispararem contra manifestantes.

O governo pró-Europa que assumiu o poder depois da queda de Yanukovich também o acusa de acumular uma fortuna ao desviar dinheiro dos cofres públicos e saquear bens públicos por meio de acordos corruptos. O ex-presidente também negou essas acusações.

(Com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês