Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Inteligência russa revela que Navalny foi envenenado pelas roupas íntimas

O opositor russo Alexei Navalny, alvo de ataque do governo de Vladimir Putin em agosto, enganou agente de segurança para obter detalhes da operação

Por Da Redação 21 dez 2020, 18h42

Em um telefonema com o líder da oposição na Rússia, Alexei Navalny, divulgado nesta segunda-feira 21, um agente da inteligência russa admitiu tê-lo envenenado em agosto, plantando o agente nervoso letal Novichok em suas cuecas.

O agente Konstantin Kudryavtsev pertencia a uma equipe de elite de toxinas do serviço de segurança da Rússia. Navalny, que ainda está se recuperando na Alemanha, fingiu ser um funcionário de alto escalão do Conselho de Segurança Nacional da Rússia que fazia um relatório da operação de envenenamento. Na ligação, fornecida à emissora CNN, seu número de telefone aparecia como se fosse da sede do conselho.

“Em qual peça de roupa foi dada ênfase? Qual é a peça de roupa mais arriscada?”

“Cuecas”, respondeu Kudryavtsev.

Navalny perguntou exatamente onde o Novichok foi aplicado, e o agente respondeu que foi no “interior, na virilha”, em sua forma sólida.

Continua após a publicidade

Segundo a CNN, quando a substância é aplicada às roupas em na forma sólida, ela é absorvida pela pele com o suor. A estratégia foi diferente da utilizada contra o ex-agente duplo Sergei Skripal, no Reino Unido, em 2018, em que a forma líquida foi aplicada.

Navalny passou mal em um voo para Moscou, fazendo com que o piloto pousasse em Omsk para que ele recebesse tratamento de emergência. Se o avião tivesse completado a viagem, ele não teria sobrevivido.

O opositor é há muito tempo é um empecilho para o presidente Vladimir Putin, por expor casos de corrupção em altos cargos e fazer campanha contra o líder do país.

Após uma investigação da CNN em parceria com a agência de jornalismo investigativo Bellingcat – que descobriu que até dez agentes o teriam rastreado por três anos –, Putin confirmou na semana passada que ele era vigiado. Contudo, afirmou que se a Rússia o quisesse morto, “eles provavelmente teriam acabado o serviço”.

As roupas de Navalny foram apreendidas pelo governo depois que ele foi tratado na cidade de Omsk. O opositor e sua equipe exigiram várias vezes elas fossem devolvidas, mas as autoridades russas se recusaram.

Continua após a publicidade
Publicidade