Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Inteligência francesa impediu atentado em Orleans na semana passada

Segundo o ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, dois franceses foram presos no último dia 19. Um jihadista francês que está na Síria teria ordenado o ataque

Autoridades francesas anunciaram nesta terça-feira terem impedido um atentado contra as forças de segurança na semana passada, na região de Orleans, cidade localizada no centro do país. “Um projeto de atentado contra representantes da força pública na região de Orleans foi frustrado na semana passada pela DGSI (serviços internos de inteligência)”, declarou o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve.

Duas pessoas foram interrogadas e acusadas em 19 de dezembro no âmbito deste caso, Cazeneuve. Segundo o ministro, tratam-se de dois franceses, “um de 20 anos, desconhecido dos serviços da polícia, e outro de 24 anos, conhecido por atos de delinquência”. Fontes policiais em Paris informaram que os detidos eram de origem marroquina e togolesa, respectivamente.

Leia também:

‘Esfaqueado’, professor francês mentiu sobre ataque terrorista

Voo da Air France dos EUA para a França é desviado após ameaça anônima

Para substituir Diesel, Rússia doa filhote de cão policial à França

Segundo Cazeneuve, ambos estavam “em contato com um jihadista francês presente na Síria que a investigação tenta determinar se era o cérebro dos ataques que um dos dois detidos admitiu ter projetado”. O atentado frustrado estava dirigido a “militares, policiais e representantes do Estado”.

“As detenções são o resultado do trabalho minucioso de nossos serviços de inteligência e eleva a dez o número de atentados frustrados em território nacional desde 2013”, assegurou o ministro.

Cazeneuve disse, ainda, que a França rejeitou a entrada de 3.414 pessoas no país desde os atentados de 13 de novembro, em Paris, que provocaram o estado de emergência. Estas pessoas tiveram negada a entrada em território francês “devido ao risco que representavam para a segurança e a ordem pública”, explicou.

(Com AFP)