Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Inspetores da Opaq esbarram em falta de segurança para cumprir prazos na Síria

Os funcionários da Organização para Proibição de Armas Químicas foram impedidos de visitar dois locais em que não teriam a segurança garantida

Por Da Redação 28 out 2013, 18h35

Os inspetores da Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq) que estão supervisionando a destruição das armas químicas do regime do ditador sírio Bashar Assad foram impedidos de visitar os últimos dois depósitos de uma lista de 23 locais apontados pelo governo. De acordo com a rede CNN, a Opaq não teve acesso às unidades por questões de segurança. A intenção da entidade é conseguir garantias para os inspetores visitarem os locais até esta sexta-feira.

Leia também:

Diretor da Opaq fala sobre restrições ao trabalho na Síria

Opaq: destruição de arsenal na Líbia e no Iraque também é desafio

O porta-voz da Opaq, Michael Luhan, disse que as duas últimas unidades estão localizadas em regiões disputadas por forças governistas e opositoras a Assad. Funcionários da ONU foram encarregados de negociar a passagem segura dos inspetores pelos locais. Segundo Luhan, os membros da Opaq serão enviados aos depósitos assim que a sua segurança for estabelecida pelas Nações Unidas.

O comunicado emitido pela organização foi divulgado um dia depois de a própria Opaq anunciar que a Síria cumpriu com o prazo de apresentar um plano para destruir o seu arsenal químico. A expectativa é de que o regime de Assad elimine todo armamento desse tipo até a metade de 2014. A decisão foi tomada após os governos de Estados Unidos e Rússia chegarem a um acordo sobre a crise no país. Para evitar uma intervenção militar americana, Assad concordou em se livrar do arsenal e assinar a Convenção de Armas Químicas.

A discussão em torno da questão síria ocorreu após o massacre de 1 400 pessoas em um ataque com armas químicas na periferia de Damasco, em 21 de agosto. A oposição síria protestou contra a decisão e afirmou que a destruição do arsenal não interromperia a luta armada para derrubar o regime de Assad. Segundo a ONU, mais de 100 000 pessoas foram mortas durante o conflito. Os governos de Estados Unidos e Rússia tentam agora convencer representantes do regime e da oposição a discutirem uma saída pacífica em Genebra, na Suíça, em conferência ainda sem data marcada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês