Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Inquérito sobre escândalo não estará completo em um ano

Observação foi feita por juiz, que oficializou abertura das investigações nesta 5ª

Por Da Redação 28 jul 2011, 08h37

Brian Leveson, juiz nomeado pelo primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, para avaliar o escândalo dos grampos telefônicos envolvendo tabloides britânicos, alertou nesta quinta-feira que não deve ser possível completar o inquérito dentro do prazo previsto de um ano. A investigação pública foi oficialmente aberta nesta quinta-feira, na primeira reunião de Leverson com sua equipe, em Londres, para discutir o caso. As audiências estão marcadas para setembro.

A comissão, que teria até 12 meses para avaliar suas recomendações, analisa em primeiro lugar a legislação relativa aos meios de comunicação e a proteção à vida privada. “Haverá um debate sobre os limites da noção de interesse público”, disse o juiz. A imprensa britânica recorreu a práticas questionáveis, como subterfúgios ou a utilização de escutas ilegais, para obter informações evocando o “interesse público”.

Além de Leveson, a comissão tem seis integrantes: um militante pró-direitos humanos, um policial, um ex-chefe de comissão de comunicações, dois jornalistas e um ex-presidente do jornal Financial Times. Eles terão plenos poderes para convocar testemunhas, que falarão sob juramento.

A partir de outubro serão organizadas mesas redondas sobre ética e as práticas da imprensa. A comissão deve também formular recomendações para delimitar melhor as práticas da imprensa, atualmente autorregulada por uma comissão reconhecidamente ineficiente, a Press Complaints Commission.

Escândalo – Os membros da comissão deverão prestar contas de seus eventuais vínculos como grupo Murdoch, cujo tabloide News of the World está no coração do escândalo. Ele chegou a ser tirado de circulação depois da revelação de que seus jornalistas grampearam telefones de políticos, celebridades e personagens do noticiário.

O escândalo, que alcançou proporçõs sem precedentes desde a revelação, em 4 de julho, que a caixa de mensagens de voz de uma menina assassinada, Milly Dowler, foi pirateada, atinge também o mundo político, a polícia e a imprensa britânicas. Altos dirigentes da Scotland Yard se viram obrigados a renunciar, entre eles o chefe da força.

A polícia é acusada de ter abafado a primeira investigação iniciada em 2006 e de ter mantido vínculos estreitos com o grupo do magnata Rupert Murdoch.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês