Clique e assine a partir de 9,90/mês

Inglaterra pode manter livre circulação de pessoas após Brexit

Acordo de transição é debatido na segunda fase de discussões sobre o Brexit

Por Da redação - Atualizado em 21 jul 2017, 18h26 - Publicado em 21 jul 2017, 18h25

O Reino Unido está preparado para manter a livre circulação de cidadãos da União Europeia(UE) por até quatro anos após o Brexit. O tema veio a debate em meio à segunda fase de discussão do acordo entre a UE e a Inglaterra que ocorre em Bruxelas, na Bélgica.

De acordo com o site The Independent, a transição evitaria uma interrupção súbita dos negócios causada pela mudança marcada para 29 de março de 2019, quando a Inglaterra deixará a bloco europeu.

Segundo o jornal The Times, a primeira-ministra Theresa May está disposta a oferecer a livre circulação por até dois anos. A decisão não foi confirmada oficialmente.

“A primeira-ministra reiterou que o objetivo geral do governo é uma saída suave e ordenada, que culmine em um acordo abrangente de livre comércio com a União Europeia, com um período de implementação para evitar qualquer mudança abrupta”, disse o porta-voz do governo. 

Continua após a publicidade

Críticas

Alguns parlamentares se manifestaram contra a medida, entre eles, o líder do Partido Conservador BritânicoJacob Rees-Mogg. Ele considera o período de transição como uma máscara para tentar revogar o resultado do referendo do ano passado, quando os ingleses decidiram deixar o bloco europeu.

“Se estamos sujeitos às regras do mercado único, aos seus regulamentos, ao decreto do Tribunal de Justiça Europeu, e não podemos fazer acordos de livre comércio com o resto do mundo, então estamos na UE“, disse Rees-Mogg ao programa Newsnight da BBC.

A vice-presidente do Partido de Independência do Reino Unido (Ukip), Suzanne Evans, declarou: “Ou deixamos no dia 29 de março de 2019 ou somos mantidos reféns da UE por tempo indefinido. Não podemos permitir que isso aconteça”.

Publicidade