Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Inflação oficial na Venezuela supera 60%

País enfrenta uma aguda crise econômica, com falta de dólares no mercado, diminuição das importações e desabastecimento de produtos básicos

A inflação na Venezuela em 12 meses atingiu 60,9% em maio passado, após chegar a 5,7% em abril por “eventos de conflito político”, informou o Banco Central (BCV) do país nesta quinta-feira. Na última medição, divulgada em abril, o índice estava em 59%. Segundo o jornal El Universal, a alta acumulada de 23% em 2014 corresponde ao maior avanço no mesmo período desde 1996. De acordo com a nota oficial do BCV, “perturbações de caráter extraordinário, alheias a fatores próprios da atividade produtiva, influíram desfavoravelmente nos resultados do INPC [índice nacional de preços ao consumidor] (…) com o consequente efeito nos resultados da inflação”.

As principais altas foram registradas entre alimentos e bebidas não alcoólicas (6,4%), restaurantes e hotéis (6,9%), e transportes (10,1%). Imersa em um desequilíbrio financeiro em que as despesas excedem a renda das exportações de petróleo e a arrecadação de impostos, o governo solicitou ao Banco Central para imprimir mais dinheiro. O resultado óbvio de mais capital sem lastro em circulação no mercado é a inflação fora de controle. A oferta não pode acompanhar a demanda inflada pela injeção de bolívares.

Leia também

Censura chavista se volta contra humorista venezuelano

Justiça manda prender acusados de planejar matar Maduro

Dirigente opositor foge da Venezuela

Além disso, há uma estagnação na produção de petróleo, principal produto de exportação do país, fazendo com que a Venezuela não consiga ampliar os lucros com a venda da commodity. Ao mesmo tempo, o preço dos bens importados aumenta rapidamente porque a demanda por dólares tornou-se insustentável, já que o governo controla o câmbio artificialmente desde 2003, e o livre acesso à compra e venda de divisas está proibido desde então.

O Sistema Complementar de Administração de Divisas (Sicad), criado ano passado, realiza leilões semanais de 100 milhões de dólares a uma taxa de 11,30 bolívares. Apenas importadores, porém, podem participar destes leilões. Pessoas físicas e jurídicas precisam realizar seus pedidos por meio de mecanismos burocráticos e somente no fictício câmbio oficial, de 6,30 bolívares por dólar. Nas ruas, a moeda americana é vendida por um valor mais de dez vezes mais caro, chegando até 70 bolívares. O resultado dessa política cambial insana é uma escassez de dólares no mercado venezuelano, com as empresas não conseguindo importar e, com isso, ampliando a inflação e o desabastecimento de produtos.

País com as maiores reservas petroleiras do planeta, a Venezuela atravessa uma severa crise econômica, com um déficit fiscal de entre 15% e 18% do PIB e escassez de produtos básicos, entre outros problemas. O presidente Nicolás Maduro acusa setores ligados à oposição venezuelana e conservadores dos Estados Unidos e Colômbia de promover uma “guerra econômica” contra seu governo. Desde o final do ano passado, seu governo iniciou uma “guerra econômica” contra setores acusados de “especulação financeira”. Grandes redes de varejo sofreram inspeções e algumas chegaram a ser forçadas a realizar saldões.

A Venezuela enfrenta uma onda de protestos desde fevereiro devido à inflação, à falta de produtos básicos – como papel higiênico, açúcar, farinha ou leite – e à altíssima violência que provoca em média 65 mortes por dia no país.