Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Índia supera Rússia e se torna terceiro país com mais casos de Covid-19

Analistas consideram que pico da epidemia no país ainda acontecerá dentro de várias semanas; 24.000 novos casos foram identificados nas últimas 24 horas

Por Da Redação Atualizado em 6 jul 2020, 10h26 - Publicado em 6 jul 2020, 10h10

A Índia registrou 24.000 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas e se tornou o terceiro país com o maior número de infectados, superando a Rússia. Ao todo, o país registrou 697.413 infecções e 19.693 mortes.

Apesar do aumento no número de casos, a taxa de mortalidade indiana ainda é menor que a verificada na maioria dos outros países gravemente afetados. Em número de mortes, o país é o oitavo mais afetado. Estados Unidos e Brasil são os países com o maior número de casos confirmados.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

Os analistas consideram que o pico da epidemia na Índia acontecerá dentro de várias semanas. A propagação do vírus está em ritmo acelerado sobretudo nas grandes cidades como Mumbai, Nova Délhi e Madras.

Para enfrentar o grande número de infectados, Nova Délhi inaugurou um gigantesco centro com capacidade para 10.000 leitos, em um espaço dedicado a reuniões religiosas. O hospital foi considerado o maior do mundo inteiramente dedicado a pacientes com Covid-19.

Continua após a publicidade

A Índia impôs em março a mais ferrenha quarentena de todo o mundo. Por ordem do primeiro-ministro, Narendra Modi, o 1,3 bilhão de habitantes do país teve alguns dias para se preparar e se fechar em casa, com a polícia brandindo bastões e fazendo ameaças contra eventuais contraventores.

Porém, muito antes do recomendável, o governo começou a relaxar as medidas. Com contágio e mortes ainda em plena aceleração, Modi, líder autoritário e ultranacionalista que não é de ouvir conselhos e tinha pressa em reativar a economia, anunciou no início do mês o fim do confinamento obrigatório. “A transmissão está sob controle”, proclamou, recomendando a prática de ioga como estratégia “para aumentar a imunidade”.

Desde então, a Índia chegou à dolorosa posição de epicentro da epidemia na Ásia e os casos confirmados vêm dobrando a cada dezoito dias — mais do que nos Estados Unidos, Brasil e Rússia. Teme-se ainda que o governo esteja maquiando os números divulgados.

Segundo fontes médicas, os números oficiais não são confiáveis. Centros de saúde estão proibidos de realizar testes em pacientes que morrem com suspeita de Covid-19. Além disso, por ditames ligados à religião hindu, 80% das mortes ocorrem em casa e os corpos são cremados pela família.

Com o novo crescimento da doença, muitas cidades determinaram novamente o confinamento da população. As autoridades de Agra (norte) decidiram manter fechado o célebre Taj Mahal, que não recebe visitantes desde meados de março.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade