Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Incêndio em hospital no Senegal deixa onze recém-nascidos mortos

O incidente, supostamente causado por um curto-circuito, ocorre após uma série de outras tragédias no sistema de saúde pública do país

Por Amanda Péchy Atualizado em 26 Maio 2022, 09h12 - Publicado em 26 Maio 2022, 09h11

O presidente do Senegal, Macky Sall, comunicou nesta quinta-feira, 26, que onze recém-nascidos morreram após um incêndio no departamento neonatal do Hospital Mame Abdou Aziz Sy Dabakh, na cidade senegalesa de Tivaouane.

“Acabei de saber, com dor e consternação, da morte de 11 bebês recém-nascidos”, disse Sall em uma postagem no Twitter.

“Expresso minha profunda compaixão por suas mães e suas famílias”, acrescentou.

O incidente ocorreu no hospital Mame Abdou Aziz Sy Dabakh e foi causado por “um curto-circuito”, segundo o político senegalês Diop Sy. “O fogo se espalhou muito rápido”, afirmou.

O prefeito da cidade, Demba Diop, disse que três bebês foram salvos. De acordo com a mídia local, o hospital foi inaugurado recentemente.

Em comunicado, o Ministério da Saúde do país disse que um plano de reação a emergências foi implementado e “arranjos estão sendo feitos para a assistência às famílias das vítimas”.

O comunicado do ministério acrescentou que o ministro da Saúde, Abdoulaye Diouf Sarr, que estava participando da Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra, encurtou a viagem e vai retornar ao Senegal nesta quinta-feira.

“Esta situação é muito infeliz e extremamente dolorosa”, disse Sarr em entrevista no rádio. “Uma investigação está em andamento para descobrirmos o que aconteceu.”

Continua após a publicidade

O Ministro do Planeamento Regional e Governo Local senegalês, Cheikh Bamba Dièye, descreveu o incidente como “horrível e inaceitável”, pedindo uma investigação dos sistemas de saúde do país.

“Estou chocado com a morte horrível e inaceitável de 11 bebês recém-nascidos em Tivaoune. A recorrência de tragédias em nossos hospitais nos lembra da obrigação de revisar minuciosamente a qualidade do serviço de saúde. Minhas mais profundas condolências às famílias”, disse ele em uma postagem no Twitter.

O incêndio ocorre após vários incidentes em unidades de saúde pública no Senegal, setor onde existe uma grande disparidade entre as zonas urbanas e rurais.

Em Linguère, em abril, ocorreu um incêndio em um hospital e quatro recém-nascidos morreram. O prefeito da cidade culpou um mau funcionamento elétrico no ar condicionado da maternidade.

Há poucas semanas, três parteiras foram condenadas pela morte de uma mulher grávida a quem foi recusado um pedido de cesariana, porque o procedimento não havia sido agendado. Ela morreu em 1º de abril, 20 horas depois de sua chegada. O ministro da Saúde reconheceu que a morte poderia ter sido evitada e, um mês depois, três parteiras que estavam trabalhando na ocasião foram condenadas por “não assistência a uma pessoa em perigo”.

O diretor da Anistia Internacional no Senegal, Seydi Gassama, pediu uma inspeção e atualização dos serviços de neonatologia em todo o país após a morte “atroz” dos quatro bebês em Linguère.

A Amnistia “insta o governo a criar uma comissão de inquérito independente para encontrar os responsáveis e punir os culpados, independentemente de seu status no aparelho do Estado”, publicou no Twitter.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)