Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Incêndio em hospital da Coreia do Sul deixa 37 mortos

Bombeiros tiveram que carregar pacientes que não podem andar. Grande parte das vítimas tem mais de 70 anos

Por Reuters - Atualizado em 26 jan 2018, 17h29 - Publicado em 26 jan 2018, 08h50

Um incêndio em um hospital da Coreia do Sul deixou ao menos 37 mortos e mais de setenta feridos nesta sexta-feira. Segundo as autoridades locais, o edifício não possuía sistema de combate ao fogo.

As chamas teriam começado na sala de emergência do 1º andar do prédio principal do Hospital Sejong, na cidade de Miryang, por volta das 7h30 do horário local (20h30 de Brasília, na quinta-feira), detalhou a polícia local.

Muitos pacientes tiveram de “atravessar fogo e fumaça” para escapar do incêndio, uma vez que a principal saída do prédio ficava justamente no 1º andar, que estava em chamas. Outros usaram escadas e escorregadores de emergência para fugir de andares mais altos. As equipes de resgate tiveram de carregar diversas pessoas que não conseguiam andar.

Os bombeiros demoraram cerca de três horas para apagar o fogo, que começou quando aproximadamente 180 pessoas estavam no edifício. Ao todo, cerca de 200, em sua maioria pacientes que estavam no prédio no momento do incêndio e idosos de um asilo próximo, foram levadas para várias unidades médicas próximas.

Publicidade

Os bombeiros já identificaram ao menos 26 das vítimas do incêndio desta sexta. Com idades variando de 35 a 96 anos, ao menos vinte das vítimas tinham mais de 70 anos. A polícia sul-coreana informou que fará uma investigação para determinar as causas do incidente.

O incêndio é o mais letal a acontecer na Coreia do Sul em ao menos uma década. No mês passado, outro incêndio deixou 29 mortos em uma academia. Os incidentes levam a uma discussão sobre os padrões de segurança do país, uma das economias mais avançadas do mundo.

Publicidade