Clique e assine a partir de 8,90/mês

Imprensa japonesa contabiliza ao menos 35 mortos por passagem de tufão

Balanço da agência Kyodo também registra 17 pessoas desaparecidas por conta do tufão Hagibis

Por Da Redação - 14 out 2019, 03h22

Ao menos 35 pessoas morreram, e 17 estão desaparecidas, após a passagem do devastador tufão Hagibis pelo Japão, noticiou agência Kyodo nesta segunda-feira 14. Mais de 100 mil socorristas, incluindo 31.000 soldados, trabalhavam à noite no auxílio de pessoas isoladas pelas águas, depois que as chuvas torrenciais causaram deslizamentos de terra e o transbordamento de rios.

Mais cedo, oficialmente, o governo divulgou um balanço de 14 mortos e 11 desaparecidos. Acompanhada de chuvas de intensidade sem precedentes, o tufão semeou desolação ao passar pelo centro e leste do Japão entre sábado à noite e domingo de manhã.

Na região de Nagano (centro), houve inundações significativas. Um dique cedeu, deixando caminho livre para as águas do rio Chikuma, em uma área residencial onde as casas foram inundadas.

Em Kawagoe, noroeste de Tóquio, os socorristas retiraram de barco um grupo de idosos, alguns em cadeiras de rodas, de um lar para idosos.

Cerca de 7,3 milhões de japoneses receberam orientação de evacuação voluntária após níveis recordes de chuvas. Milhares de pessoas foram abrigadas em ginásios, ou em grandes espaços, onde receberam comida, água e cobertores.

A intensidade “sem precedentes” das chuvas fez a Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês) emitir nível máximo de alerta, categoria reservada para situações de possível catástrofe.

Hagibis chegou no sábado, pouco antes das 19h (7h em Brasília), segundo a JMA. Alcançou Tóquio por volta das 21h, acompanhado por rajadas de vento de até 200 km/h.

Continua após a publicidade

Um cargueiro com bandeira panamenha foi destruído na noite de sábado na Baía de Tóquio, causando pelo menos uma vítima letal entre os membros da tripulação. Outros quatro foram resgatados, mas sete continuam desaparecidos.

“O governo fará todo o possível”, disse o primeiro-ministro Shinzo Abe, acrescentando que está disposto a mobilizar mais tropas.

O tufão também forçou a mudança na programação de duas competições esportivas realizadas no Japão. As sessões classificatórias do Grande Prêmio de Fórmula 1 disputado em Suzuka (centro) foram adiadas de sábado para domingo, e três partidas da Copa do Mundo de Rúgbi (França x Inglaterra e Nova Zelândia x Itália marcada para sábado, e Namíbia x Canadá, para domingo) foram canceladas.

Já a decisiva partida Escócia-Japão deste domingo, que corria o risco de ser cancelada, aconteceu como planejado.

O tufão também paralisou o transporte na zona metropolitana de Tóquio, em um fim de semana prolongado, devido ao feriado de segunda-feira. Conexões aéreas, de trem e linhas de metrô foram suspensas no sábado.

Todos os anos, o Japão costuma ser atingido por uma média de 20 tufões. Antes de Hagibis, Faxai deixou pelo menos dois mortos em setembro e causou danos significativos em Chiba.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade