Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Imprensa francesa indica que Sarkozy anunciará candidatura nesta 4ª feira

Por Da Redação 14 fev 2012, 09h32

Paris, 14 fev (EFE).- O presidente da França, Nicolas Sarkozy, anunciará nesta quarta-feira em um dos telejornais de maior audiência sua candidatura à reeleição, indicam nesta terça os meios de comunicação franceses.

Apesar das diversas especulações dos últimos dias sobre o momento e a forma escolhidos pelo chefe de Estado para entrar oficialmente em campanha, Sarkozy optou por uma declaração na televisão, provavelmente na emissora ‘TF1’, indica nesta terça o jornal ‘Le Monde’.

O canal ‘France Info’ acrescentou que, segundo fontes ligadas à presidência francesa, a porta-voz de sua campanha será a atual ministra de Ecologia, Nathalie Kosciusko-Morizet.

O presidente pretendia antecipar o anúncio da candidatura, cuja data-limite é fixada em meados de março, mas a distância do candidato socialista, François Hollande, e a pressão da oposição, que o acusa de realizar uma campanha disfarçada em todos os seus atos oficiais, poderia tê-lo feito dar esse passo.

Segundo a última pesquisa do instituto Ifop, divulgada nesta terça-feira, Hollande tem 30% das intenções de voto no primeiro turno das eleições, programadas para 22 de abril, e 57,5% no segundo, marcadas para 6 de maio.

Apesar de ter perdido respectivamente um ponto e meio ponto com relação ao final de janeiro, Hollande segue à frente de Sarkozy, que obtém, segundo esse levantamento, 25% das intenções de voto no primeiro turno (meio ponto a mais) e 42,5% no segundo, com uma alta de meio ponto.

Em suas últimas aparições na televisão, Sarkozy reafirmou que tem ‘uma reunião com os franceses’ que não vai faltar, mas em todas elas destacou que sua prioridade é cumprir até o final suas responsabilidades à frente do Estado.

Neste meio tempo, no entanto, começaram a ser divulgadas algumas linhas de seu programa. Em entrevista concedida no sábado ao jornal ‘Le Figaro’, antecipou uma alta do imposto de renda para reduzir as cargas patronais e sua oposição ao casamento gay, à eutanásia e ao voto para os imigrantes legais nas eleições locais.

Suas propostas buscam, segundo os meios de comunicação franceses, atrair os simpatizantes do ultradireitista Frente Nacional (FN), cuja líder, Marine Le Pen, tem intenções de voto no primeiro turno de 17,5%. EFE

Continua após a publicidade

Publicidade