Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Imigrantes denunciam racismo ao tentar sair da Ucrânia

De acordo com relatos, governos da Ucrânia e de países vizinhos estão impedindo refugiados negros de atravessar as fronteiras

Por Matheus Deccache Atualizado em 28 fev 2022, 11h57 - Publicado em 28 fev 2022, 11h56

Dezenas de imigrantes africanos na Ucrânia estão sendo impedidos de atravessar as fronteiras do país desde o início do conflito com a Rússia, na última quinta-feira, 24. Por meio de publicações no Twitter, refugiados negros dizem que estão sendo deixados de lado na hora de realizar a travessia. 

+ Países europeus se preparam para receber imigrantes ucranianos

Em um dos relatos, um homem disse que seus familiares e outros imigrantes foram instruídos a descer do ônibus em que estavam próximo à fronteira no último sábado e, após questionar a ordem, foi expulso do veículo por militares. 

“Nós estamos agora presos em uma estação de trem em Kiev junto com outras milhares de pessoas sem ter certeza de qual será o próximo passo. Isso não está acontecendo apenas com negros, mas também com indianos, árabes e sírios”, disse ele ao jornal The Independent.

No último domingo, 24, estudantes jamaicanos que chegaram a Lviv vindos de Kharkiv foram obrigados a caminhar cerca de 20 quilômetros até a fronteira com a Polônia. A ministra das Relações Exteriores da Jamaica, Kamina Smith, disse que eles foram impedidos de entrar no ônibus que levava estudantes para o país vizinho.

De acordo com a estudante de medicina Korrine Sky, 26 anos, pessoas negras estão sendo hostilizadas e até mesmo impedidas de atravessar as fronteiras. Ainda segundo ela, há vigilantes armados andando pelas regiões fronteiriças sob o pretexto de estarem ajudando o exército. 

Continua após a publicidade

Atualmente, há cerca de 4 000 estudantes nigerianos na Ucrânia, o segundo maior grupo de estudantes estrangeiros do país, atrás apenas dos marroquinos, com cerca de 8 000. 

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, o governo da Nigéria pediu às autoridades ucranianas e dos países vizinhos que tratem seus cidadãos com dignidade em meio às acusações de racismo nas fronteiras. 

“Houve relatos infelizes de que a polícia ucraniana e o pessoal de segurança estão se recusando a deixar nigerianos embarcarem em ônibus e trens. É importante que todos sejam tratados com dignidade e sem favores”, disse o porta-voz Garba Shehu. 

Em resposta, a embaixadora polonesa na Nigéria, Joanna Tarnawska, rejeitou as acusações e disse que todos recebem o mesmo tratamento, completando que há relatos de estudantes que já atravessaram a fronteira. 

De acordo com ela, documentos inválidos são aceitos para entrar em território polonês e as restrições contra a Covid-19 estão temporariamente suspensas. Ao entrar, os nigerianos têm até 15 dias para deixar o país. 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)