Clique e assine com até 92% de desconto

Imagem de menina síria ‘se rendendo’ diante de câmera fotográfica se torna viral

À rede britânica BBC, fotojornalista turco disse que só percebeu temor da criança de 4 anos de idade diante do equipamento depois de tirar a foto

Por Da Redação 31 mar 2015, 22h01

A imagem de uma menina com os braços erguidos diante da câmera fotográfica tornou-se viral nos últimos dias e expôs mais uma vez o drama da guerra civil na Síria. Segundo o fotógrafo que registrou o momento, a menina achou que a câmera era uma arma.

À rede britânica BBC, o fotojornalista turco Osman Sağırlı confirmou ser o autor da imagem, depois de questionamentos sobre sua autenticidade. Ele contou ter tirado a foto em dezembro do ano passado, no campo de refugiados de Atmeh, na Síria. A menina, Hudea, de 4 anos de idade, havia ido para o local com a mãe e dois irmãos.

Leia também:

Facções jihadistas tomam o controle de Idlib, na Síria

EI recrutou 400 menores de idade na Síria desde o início do ano

“Eu estava usando lentes teleobjetivas e ela pensou que era uma arma”, disse o fotojornalista. “Eu percebi que ela estava aterrorizada depois de olhar a foto, ao ver que ela mordia os lábios e havia levantado as mãos. Normalmente, as crianças fogem, escondem o rosto ou sorriem quando veem uma câmera”.

Continua após a publicidade

A imagem foi originalmente publicada em janeiro, pelo jornal turco Türkiye. A repercussão foi bem maior depois que a fotojornalista Nadia Abu Shaban compartilhou a foto em seu perfil no twitter, na última semana. Ao publicar a imagem, ela observou que a menina havia ‘se rendido’ diante da câmera.

Leia mais:

Depois de fugir da guerra, sírios enfrentam falta de comida e água

Brasileira relata trabalho humanitário em campo de refugiados sírios

O conflito na Síria, que já se arrasta há quatro anos, deixou mais de 220.000 mortos, segundo a ONU, advertindo que esta é uma estimativa conservadora, pois só considera mortes documentadas. Cerca de 12,2 milhões de pessoas, incluindo 5,6 milhões de crianças, precisam de ajuda humanitária no país e a comunidade internacional prometeu ajuda financeira de 3,8 bilhões de dólares.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade