Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ilha ao sul do Japão é evacuada após forte erupção de vulcão

Todos os moradores da pequena ilha de Kuchinoerabu serão evacuados e eles podem levar anos para voltar para casa devido à quantidade de enxofre que o vulcão expelir

Por Da Redação 29 Maio 2015, 07h55

As autoridades japonesas ordenaram a retirada dos 137 moradores da ilha de Kuchinoerabu, no sudoeste do Japão, devido à forte erupção do vulcão Shindake, informa nesta sexta-feira a emissora pública NHK. A primeira explosão do Shindake foi registrada às 9h59 (21h59 de quinta-feira em Brasília) e a Agência Meteorológica do Japão ativou pouco depois o nível máximo de alerta em caso de erupção, recomendando a evacuação da ilha. Todos os voos que passam perto da ilha tiveram suas rotas desviadas até a visibilidade e a segurança serem restabelecidas.

Imagens exibidas pela emissora pública mostraram uma enorme nuvem de cinza negra que chegou a alcançar cerca de 9.000 metros de altitude. A NHK informou que o magma expelido pelo vulcão chegou até uma das praias da ilha, mas que não há relato de feridos com gravidade por enquanto, já que apenas duas pessoas tiveram que ser transferidas em um helicóptero até a ilha vizinha de Yakushima. Um homem de 72 anos que sofreu queimaduras leves na testa e outro de 80 anos teve de ser hospitalizado por ter inalado muita fumaça.

Leia também

Voo da Air France quase colidiu com vulcão na África

Erupção de vulcão nas Filipinas causa evacuação de mais de mil pessoas

As autoridades de Yakushima estão coordenando a retirada dos moradores e enviaram um ferry boat e barcos para transferi-los. Os habitantes da ilha podem levar meses, até anos, para retornar às suas casas, como ocorreu com os residentes da ilha de Miyake, que fica ao sul de Tóquio, onde a erupção de um vulcão no ano 2000 manteve seus moradores longe de seus lares por mais de quatro anos devido à alta presença de enxofre e outros compostos químicos na água e no solo. Em agosto do ano passado, o Shindake registrou sua primeira erupção em 34 anos. Além disso, desde janeiro o acesso a uma parte da ilha estava interditado devido a uma série de terremotos recentes, aparentemente de origem vulcânica.

A Agência Meteorológica também detectou em março o aumento do nível de dióxido de enxofre no ar no entorno do Shindake, que tem cerca de 650 metros de altitude. Kuchinoerabu, com uma superfície de aproximadamente 38 quilômetros quadrados, é parte da Prefeitura de Kagoshima e está a cerca de 100 quilômetros ao sul da ilha de Kyushu, uma das quatro maiores do arquipélago japonês.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade