Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Igrejas são queimadas no Canadá após descoberta de 182 túmulos indígenas

Após protestos, o Vaticano anunciou que o papa Francisco receberá lideranças indígenas canadenses em dezembro

Por Da Redação 1 jul 2021, 16h40

O papa Francisco se encontrará com líderes indígenas do Canadá no final deste ano. Eles discutirão uma ida do papa ao país para um pedido de desculpas pelo papel da Igreja nas escolas residenciais, que abusaram de gerações de crianças indígenas.

A notícia da reunião do Vaticano veio quando a terceira comunidade indígena canadense anunciou na última quarta-feira, 30,  que havia encontrado 182 restos mortais perto de uma antiga escola para crianças indígenas administrada pela Igreja Católica.

Na Escola Missionária de St. Eugene, localizada na Colúmbia Britânica, líderes indígenas disseram que uma busca iniciada no ano passado encontrou 182 sepulturas não marcadas, algumas delas com apenas três a quatro pés de profundidade.

Em um comunicado, a Conferência Canadense de Bispos Católicos disse que o papa se encontrará separadamente no Vaticano com os representantes dos três maiores grupos indígenas do Canadá – as Primeiras Nações, os Métis e os Inuit – durante uma série de reuniões de quatro dias em dezembro. que culminará em uma sessão conjunta com os três.

“O Papa Francisco está profundamente empenhado em ouvir diretamente os povos indígenas, expressando sua proximidade sincera, abordando o impacto da colonização e o papel da Igreja no sistema escolar residencial”, escreveram os bispos.

Os líderes indígenas do Canadá há muito pedem um pedido de desculpas papal pelo papel da Igreja nas escolas residenciais, um sistema criado pelo governo que funcionou por cerca de 113 anos e que uma Comissão Nacional de Verdade e Reconciliação chamou de “genocídio cultural”.

Essas ligações se intensificaram desde maio, após anúncios de três comunidades indígenas de que o radar de penetração no solo revelou muitas centenas de sepulturas não marcadas contendo restos mortais, principalmente de crianças, em locais de antigas escolas na Columbia Britânica e Saskatchewan. 

As ordens católicas administravam cerca de 70% das escolas em nome do governo. Apesar de um apelo direto do primeiro-ministro Justin Trudeau em 2017, o papa sempre se recusou a se desculpar pela igreja.

Três denominações protestantes que também administravam escolas residenciais pediram desculpas há muito tempo e contribuíram com milhões de dólares para resolver em 2005 uma ação coletiva movida por ex-alunos.

Continua após a publicidade

A Igreja Católica, no entanto, levantou menos de quatro milhões de dólares canadenses de sua parcela de 25 milhões de dólares no assentamento.

A delegação de líderes indígenas levará a questão da compensação nas reuniões do Vaticano, disse Perry Bellegarde, chefe nacional da Assembleia das Primeiras Nações, a maior organização indígena do Canadá. No entanto, seu foco será persuadir o papa a vir ao Canadá para se desculpar.

Uma Comissão Nacional de Verdade e Reconciliação concluiu que o abuso físico, mental e sexual era comum nas escolas, que funcionaram por mais de 100 anos, a partir do final do século XIX. Muitas das escolas estavam superlotadas, seus filhos atingidos por doenças e, em alguns casos, desnutrição. Todos eles rigorosamente, e às vezes com violência, proibiram as línguas e práticas culturais indígenas.

Em maio, os canadenses ficaram chocados ao saber que um radar de penetração no solo revelou os restos mortais de 215 pessoas, a maioria crianças, perto da antiga Escola Residencial Indígena Kamloops, na Colúmbia Britânica.

Na semana passada, o choque foi agravado depois que uma Primeira Nação em Saskatchewan disse que a tecnologia havia encontrado 751 vestígios no local de uma antiga escola em suas terras.

A Escola Missionária de Santo Eugênio, onde a descoberta dos restos mortais foi anunciada na quarta-feira, foi operada entre 1890 e 1969 por ordens católicas.

Em um comunicado divulgado na quarta-feira, a Lower Kootenay Band disse que os restos mortais provavelmente pertenciam a pessoas das bandas da Nação Ktunaxa – da qual é membro – e de outras comunidades indígenas vizinhas.

A busca, que continua, foi organizada pela Primeira Nação, que informou o chefe Jason Louie da Lower Kootenay Band sobre suas descobertas iniciais na semana passada. Depois de tornar a descoberta pública na quarta-feira, o chefe Louie disse que está menos interessado em um pedido de desculpas papal do que em acusações criminais contra membros da igreja envolvidos na administração da escola.

“Não estamos pedindo desculpas, precisamos falar sobre responsabilidade”, disse ele. “Se os criminosos de guerra nazistas podem ser julgados em idade avançada por seus crimes de guerra, acho que deveríamos rastrear os sobreviventes da igreja – sendo os padres e freiras – que tiveram uma participação nisso”.

Continua após a publicidade

Publicidade