Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Igreja não pode ser “museu”, diz papa em Sínodo

Em seu pronunciamento, Francisco disse que os bispos não devem apenas falar, mas tentar ouvir o que Deus quer para a Igreja e prestar atenção nas opiniões diferentes

Por Da Redação 5 out 2015, 09h49

O papa Francisco disse nesta segunda-feira, em um importante encontro católico sobre questões familiares, que a Igreja não deve ser um “museu de memórias” e precisa ter a coragem de mudar. A reunião de três semanas de bispos do todo o mundo, conhecida como Sínodo, discutirá maneiras de defender a família e tornar o casamento para a vida toda mais atraente para os jovens, ao mesmo tempo em que busca uma forma de acomodar os católicos descontentes, como os homossexuais e os divorciados.

O encontro, que tem a participação de 300 bispos, delegados e observadores, foi precedido de uma intensa disputa entre católicos conservadores e liberais sobre uma série de questões sensíveis. Em seu pronunciamento para abrir a primeira sessão dos trabalhos, Francisco disse que os bispos não devem apenas falar, mas tentar ouvir o que Deus quer para a Igreja e prestar atenção nas opiniões diferentes entre si.

Leia também

Papa Francisco defende a família tradicional ao inaugurar o sínodo de bispos

Papa ordena que colégio do Opus Dei na Espanha seja julgado por abuso sexual

Papa faz mágica em montagem que circula na internet

Ele pediu para os bispos se livrarem de convenções e preconceitos. O para falou que os bispos não deveriam “apontar o dedo uns para os outros e julgá-los” ou se sentir superior àqueles com ideias diferentes. Em um aceno aos conservadores, o papa pediu coragem para “não se deixar intimidar pelas seduções do mundo” e modas passageiras. Mas, em uma passagem que parecia ser dirigida aos tradicionalistas inflexíveis, Francisco disse que os bispos devem também tomar cuidado com o “endurecimento de alguns corações, que apesar das boas intenções, mantêm as pessoas longe de Deus”.

O pontífice afirmou que a fé cristã “não é um museu para guardar e ser visto”, mas deve ser uma fonte de inspiração. Os bispos, que estão reunidos a portas fechadas, apresentarão relatórios ao papa, que poderá usá-los para escrever o seu próprio documento, conhecido uma Exortação Apostólica, sobre questões familiares. Em todo o mundo, a Igreja Católica tem 1,2 bilhão de fieis.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade