Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Identificados 300 dos 361 mortos em incêndio de prisão hondurenha

Tegucigalpa, 17 mar (EFE).- Cerca de 300 corpos das 361 pessoas que morreram no incêndio na colônia Agrícola Penal de Comayagua, em Honduras, no dia 14 de fevereiro, foram identificados até este sábado, das quais 243 já foram entregues a seus familiares, informou uma fonte oficial.

O porta-voz do Ministério Público, Marvin Cruz, disse à Agência Efe que ‘foram entregues 243 corpos dos 300 identificados’. Cruz lembrou que o processo de identificação é lento porque ‘muitos dos corpos apresentam um alto grau de calcinação’.

‘É preciso fazer um cruzamento de informações porque a cada corpo fazemos uma verificação de impressões digitais, placa odontológica e uma comparação com a informação que os familiares deram’, afirmou.

Ele acrescentou que cerca de 20 corpos dos 300 que foram identificados não foram entregues porque seus familiares não foram localizados.

O incêndio da colônia agrícola penal, registrado entre a meia-noite do dia 14 e a madrugada de 15 de fevereiro, ‘foi acidental’, segundo uma equipe de especialistas da Agência Americana para o Controle de Álcool, Tabaco e Armas (ATF).

Dos dez réus sobreviventes que sofreram graves queimaduras, sete morreram no Hospital Escola, onde ainda permanecem dois presos.

Uma equipe de quatro especialistas espanhóis chegou a Tegucigalpa há mais de duas semanas para colaborar no processo de identificação.

O Estado de Honduras comparecerá no dia 26 de março em Washington em uma audiência perante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) para explicar a situação nas prisões do país após o incêndio de Comayagua.

No dia 28 de fevereiro, o Estado de Honduras chegou a um acordo amistoso na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH) com os representantes das vítimas de um incêndio ocorrido em 2004 na prisão de San Pedro Sula, onde morreram 107 réus.

O acordo inclui um reconhecimento público da responsabilidade do Estado nesse acidente, a reconstrução de nove prisões, o castigo aos responsáveis pelo incêndio de 2004 e o pagamento de uma indenização aos familiares das vítimas.

Segundo diversos organismos, o sistema penitenciário de Honduras tem capacidade para abrigar cerca de 8 mil pessoas, mas a população supera os 13 mil. EFE