Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hotéis franceses perderam mais de R$ 1 bi após ataques em Paris

Os ataques em Paris em novembro custaram à hotelaria francesa cerca de 270 milhões de euros (1,1 bilhão de reais) em perdas de receita, e podem continuar a causar impacto sobre as taxas de ocupação dos hotéis, informou a consultoria MKG Group nesta terça-feira. A empresa de pesquisas disse que o setor ainda sofre em janeiro, mas que há alguma perspectiva de recuperação para meados de fevereiro, desde que não ocorram novos incidentes.

A melhora na situação econômica, a realização do campeonato de futebol Euro 2016 na França, em junho, e de feiras comerciais devem ajudar a impulsionar a demanda por quartos de hotel este ano, acrescentou a empresa. A capital francesa tem permanecido em estado de alto alerta desde que 130 pessoas foram mortas em ataques a tiros e atentados à bomba em Paris, no dia 13 de novembro.

Leia também

Incêndio atinge o luxuoso Hotel Ritz de Paris

Marrocos prende cidadão belga ligado a ataques de Paris

Homem que atacou delegacia em Paris carregava símbolo do Estado Islâmico

Os atentados estremeceram a indústria do turismo em uma das cidades mais visitadas do mundo, com proprietários de hotéis, operadores de turismo e outros membros da indústria esperando que a queda prevista no número de visitantes não perdure por muito tempo. Em dezembro, o presidente-executivo da AccorHotels disse que o maior grupo hoteleiro da Europa sentiu um “real impacto econômico” em decorrência dos ataques, com menos reservas de últimas hora para a segunda semana de dezembro em comparação com o ano anterior. Ele previu que o efeito deve durar de três a quatro meses.

A França, que tem se esforçado para recuperar sua economia, é o país mais visitado do mundo. Paris recebeu 3,2 milhões de visitantes no ano passado. A taxa de ocupação geral dos hotéis franceses caiu 0,3 ponto percentual na França, para 65,4% em 2015, enquanto o RevPar (sigla em inglês para a receita por quarto vazio) subiu 0,1%. Somente em Paris, as taxas de ocupação caíram 3,4%, e RevPar, 3,7%, em 2015, mostraram os dados da MKG.

(Com agência Reuters)