Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Homens armados matam 43 civis em região tuaregue do Mali

Criminosos chegam a acampamentos em mais de 20 motos; crianças estão entre as vítimas

Por Da Redação 13 dez 2018, 15h42

Motociclistas armados mataram mais de 40 civis tuaregues desde o início desta semana nas proximidades de Menaka, no Mali, onde conflitos por territórios e água são comuns, informou uma autoridade local nesta quinta-feira, 13.

A violência compõe o cenário desastroso na região desértica, utilizada por grupos armados para ataques no próprio Mali e em países vizinhos, no oeste e no centro da África. A disputa entre as etnias tuaregue e fulâni já matou centenas de pessoas e deixou milhares de desabrigados este ano.

O prefeito de Menaka, Nanout Kotia, contou que 43 tuaregues morreram em uma vila a 20 quilômetros da cidade nos últimos dois dias. “Homens armados em motocicletas atacaram diversos campos nômades em Tinabaw. Eles atiraram ao acaso na população”, disse Kotia, afirmando que forças de segurança foram enviadas para a área.

Em levantamento extraoficial, o maior grupo separatista tuaregue no Mali, a Coordenação de Movimentos Azawad (MSA), aumentou o número para 47 civis mortos na área. Segundo o MSA, os criminosos chegaram em cerca de 20 motos a um acampamento da etnia Idaksahak. O movimento armado enviou seus próprios milicianos para ajudar na retirada de pelo menos três feridos até Menaka.

Continua após a publicidade

Duas crianças com menos de oito anos estão entre as vítimas. Depois do ataque, o grupo fugiu para o sul, onde fica a fronteira com o Níger, após provocar vários incêndios na região.

No início de dezembro, homens armados mataram 15 civis fulânis na região de Mopti, no centro do país.

Mali está em turbulência desde que rebeldes tuaregues tomaram o norte do país em 2012, com apoios armados independentes, abrindo espaço para as forças francesas intervirem e retirá-los no ano seguinte. A etnia é essencialmente nômade e está espalhada em acampamentos pelo país.

Desde então, eles recuperaram uma parte do território no norte e no centro, investindo nas rivalidades étnicas para recrutar novos membros.

(Com Reuters)

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês